Portos do Norte devem dobrar exportações em dez anos
CI
Agronegócio

Portos do Norte devem dobrar exportações em dez anos

Porto de Paranaguá vai se manter como uma das principais portas de saída dos grãos
Por:

As exportações brasileiras de soja e de milho vão praticamente dobrar nos próximos dez anos, passando de 65 milhões de toneladas para 110 milhões de toneladas. A estimativa é do presidente mundial da Bunge, Soren Schroder, que está no Brasil para a inauguração do Terminal Portuário Fronteira Norte (Terfron) – um sistema logístico formado por uma estação de transbordo em Miritituba (PA), transporte hidroviário de grãos pelo Rio Tapajós e recebimento e exportação pelo terminal portuário de Vila do Conde, em Barcarena (PA).

Para Schroder, que até o ano passado comandava as operações da Bunge na América do Norte, o Brasil é o único país capaz de responder ao crescimento da demanda por grãos nos próximos anos, principalmente da China. “A demanda continuará vindo da Ásia. E essa demanda precisa da produção brasileira”, acrescenta o argentino Raul Padilla, que em maio assume a presidência da Bunge Brasil. O Brasil foi o país que mais recebeu investimentos da Bunge na última década. Uma das apostas é o terminal de exportação de grãos inaugurado ontem em Barcarena, que consumiu R$ 700 milhões.

Novo terminal

2 milhões de toneladas serão exportadas neste ano pelo Terfron, no Pará, somente neste ano. Capacidade deve ser dobrada até 2015 e chegar a 8 milhões em 2018.

Atenção: Para comentar nesta página é necessário realizar o seu cadastro gratuíto ou entrar.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink