Preço de farelo eleva em 100% custos para suinocultura de MT
CME MILHO (DEZ/20) US$ 4,200 (0,72%)
| Dólar (compra) R$ 5,63 (0,59%)


Agronegócio

Preço de farelo eleva em 100% custos para suinocultura de MT

Competição entre mercados acirrou disputa por componente
Por:
1010 acessos
Competição entre mercados acirrou disputa por componente

Aumento no preço do farelo de soja - bom para o produtor da oleaginosa - repercutiu negativamente para a suinocultura mato-grossense. Os custos com a aquisição do insumo para alimentar os animais cresceu 100% entre 2011 e 2012. Reflexo principalmente da valorização do produto e a acirrada disputa entre os mercados interno e externo. Em Rondonópolis, a 218 quilômetros de Cuiabá, a última semana de maio foi de preços recordes para o farelo, na ordem de R$ 900 por tonelada. Fato jamais constatado.

Cleber Noronha, analista de mercado do Instituto Mato-grossense de Economia Agropecuária (Imea), destaca que se configurou uma disputa pelo farelo nos dois mercados. No entanto, os bons preços têm estimulado o envio do componente para o mercado exterior. "O preço do farelo subiu decorrente da demanda externa. É bom para o produtor de soja porque as empresas esmagadoras pagam mais pelo produto. Mas o impacto é para quem consome e os suinocultores estão sentindo este aumento", lembra.

De acordo com o Imea, no final de 2011 um quilo do suíno comprava 4,5kg de farelo. Mas com a alta nos preços da proteína animal a mesma relação de troca ficou em um quilo de suíno para 2,2 kgs de farelo. "O custo com o farelo aumentou 100% no período", pondera Cleber Noronha.

De acordo com a Associação dos Criadores de Suínos de Mato Grosso (Acrimat), o farelo de soja responde por até 25% da base para alimentação dos animais. O diretor-executivo da Acrismat, Custódio Rodrigues, explica que o setor tem amargado prejuízos em função da alta com os custos de produção.

O representante lembra que desde o fechamento pela Rússia para a carne suína brasileira em 2011, deu-se início a um período de crise. Preços pagos ao suinocultor não evoluíram e todo o segmento passou por uma grande desvalorização. Atualmente, lembra Rodrigues, o preço médio no estado de custo por quilo de suíno produzido gira em torno de R$ 2, enquanto o preço médio de venda praticado chega a R$ 1,80.

"Hoje os mercados estão comprometedores com o produtor. Se não haver um olhar de preocupação para minimizar os impactos, as questões tributárias, os produtores já começarão a eliminar postos de trabalho, eliminação de matrizes", cita Custódio Rodrigues.

O presidente da Associação Brasileira dos Criadores de Suínos (ABCS), Marcelo Lopes, diz que o suinocultor paga para exercer a atividade. Segundo ele, por ano amarga-se um prejuízo na ordem de R$ 3,5 bilhões pela disparidade entre o custo de produção e preço pago ao animal.

"O suinocultor está pagando para exercer a atividade. Ele tem direito de produzir, mas tem prejuízos", completa. Atualmente, 82% da produção brasileira de suínas é absorvida pelo mercado interno, enquanto 18% destinam-se ao exterior.

Em Mato Grosso, conforme Paulo Lucion, presidente da Acrismat, anualmente o setor perde por ano R$ 12 milhões devido ao não equilíbrio na relação custo e benefício. Mato Grosso possui o quinto maior plantel brasileiro de suínos e abate por mês aproximadamente 170 mil animais.

Anúncios que podem lhe interessar


Atenção: Para comentar nesta página é necessário realizar o seu cadastro gratuíto ou entrar.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink