Preço do algodão em queda gera receio aos produtores nacionais

Agronegócio

Preço do algodão em queda gera receio aos produtores nacionais

Colheita de algodão avança em muitas regiões do cerrado
Por:
823 acessos

Receba Notícias como esta por email

Cadastre-se e receba nossos conteúdos gratuitamente
Obrigado por se cadastrar
  • Enviamos a você um email de boas vindas para ativação de seu cadastro.
 
Neste início de segundo semestre, período que antecede o plantio da safra principal, as três grandes culturas do cerrado, soja, milho e algodão, se caracterizam por quedas de preços. Levantamentos do Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada (Cepea), da Esalq-USP, apontam que o ânimo do produtor desta grande região, em linhas gerais, é moderado para a próxima safra e ainda haveria tempo para algum ajuste nas decisões de plantio. A colheita de algodão avança em muitas regiões do cerrado, e os valores da pluma estão próximos do preço mínimo oficial.

Algodão
Levantamentos do Cepea mostram que produtores têm destinado os primeiros lotes de algodão da safra 2013/2014 ao cumprimento de contratos, enquanto compradores postergam as aquisições à espera de novas quedas nos preços com o avanço da colheita e do beneficiamento do algodão. De acordo com dados divulgados no início deste mês pela Conab, a safra 2013/2014 deve totalizar 1,7 milhão de toneladas, 29,5% superior à anterior. Com as recentes baixas, os preços médios regionais estão próximos do mínimo determinado pelo governo para esta safra, de R$ 54,90 por 15 quilos de pluma.

De acordo com dados do Cepea, na parcial de julho (até o dia 15), os valores médios em Lucas do Rio Verde e em Campo Novo do Parecis (MT) estiveram apenas 4,2% superiores ao mínimo governamental. Na parte sul e sudeste do estado mato-grossense, os valores superaram em 6% o mínimo. Em Barreiras (BA), o preço está 6,6% acima do preço mínimo, em Chapadão do Céu (GO), 7%, e em Chapadão do Sul (MS), 7,4%. Se o ritmo de queda permanecer, a expectativa do mercado é que o governo intervenha na comercialização de algodão do Brasil.

No mercado internacional, as cotações da pluma também têm caído. O menor interesse por parte da China e a expectativa de maior oferta no Brasil e nos Estados Unidos explicam o cenário baixista. Além disso, os estoques norte-americanos ainda são considerados satisfatórios, enquanto a demanda internacional segue retraída.

O avanço da colheita e do beneficiamento de algodão tem resultado em quedas nos valores da pluma no Brasil. Desde o início deste mês, o Indicador Cepea/Esalq com pagamento 8 dias registra queda de 1,56%, fechando a R$ 1,8768/lp na terça-feira, 8. Parte dos vendedores consultados pelo Cepea está mais flexível nos preços, devido à necessidade de recursos para pagamento das despesas de colheita e também ao fato de terem vendido poucos lotes antecipadamente. Do lado da indústria muitas pressionam os valores no momento de aquisição, fundamentadas na expectativa de aumento na oferta de pluma.
Atenção: Para comentar esse conteúdo é necessário ser cadastrado, faça seu cadastro gratuíto.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink