Preço em queda segura comércio da soja no Paraná


Agronegócio

Preço em queda segura comércio da soja no Paraná

Por: -Admin
3 acessos

Produtores preferem segurar a produção na espera de uma reação do mercado.

A comercialização de soja na Região de Ponta Grossa está acontecendo em ritmo lento neste início de venda da safra. O motivo é a queda dos preços no mercado nacional, ocasionados principalmente pela retração do dólar. Do final do ano passado até agora a saca já sofreu redução de mais de R$ 10,00. Com isso só está vendendo alguma coisa quem tem compromissos a saldar.

O gerente do departamento comercial da área de grãos da Coopagrícola, Silvério Laskos, diz que até o momento foi comerciali-zada 40% da produção estimada. Normalmente neste período os negócios já teriam superado os 50%. Como o dólar caiu de perto de R$ 4,00 para perto de R$ 3,20 – valor que vem oscilando nos últimos dias – trazendo junto o valor da commoditie soja, que tem seus preços controlados pelo mercado externo, a redução do preço da saca já é de mais de 10%, se comparado com o pico máximo do final do ano passado.

O valor da saca de 60 quilos chegou a atingir algo em torno de R$ 48,00, recorde histórico para o período. Nos últimos dias esteve em queda livre, chegando, em alguns casos, abaixo de R$ 35,00 (mínimo) a R$ 38,00 (máximo) em Ponta Grossa. Na sexta-feira o preço era estável entre R$ 37,00 e R$ 38,00. Dois fatores contribuem para a redução. Além da queda do dólar, o aumento da oferta, com a entrada da safra de verão 2002/2003 também afeta os preços pagos ao produtor. Com isso os compradores ficam em situação privilegiada.

A Coopagrícola espera uma safra de 55 mil toneladas de 220 cooperados. A maior parte deles, segundo Laskos, deve aguardar uma reação dos preços para entrar vendendo pra valer. Vendas mesmo só de quem está precisando se capitalizar.

O agricultor Manoel Henrique Pereira diz que com estes preços a rentabilidade da lavoura só é possível com uma alta produtividade, acima dos 3,5 mil quilos por hectare. Mesmo assim ele conta que está segurando a produção. “No momento estou vendendo milho, já que não gosto de especular com esta cultura, mas em alguns dias devo vender soja também”, diz. Só que muitos produtores não têm como esperar, precisam vender imediatamente. Neste caso comercializam por aquilo que o mercado está pagando.

Manoel Henrique acredita que a venda antecipada também não foi um bom negócio nesta safra. Quem vendeu soja verde pegou algo em torno de 9 dólares. Com isso o dinheiro recebido fica abaixo de qualquer expectativa de mercado, que é de uma reação à medida que vá reduzindo a oferta.


Atenção: Para comentar nesta página é necessário realizar o seu cadastro gratuíto ou entrar.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink