Preços devem manter-se em alta

Agronegócio

Preços devem manter-se em alta

Uma série de fatores econômicos e climáticos vem contribuindo para a elevação dos preços dos ovos em Minas Gerais.
Por:
440 acessos

Uma série de fatores econômicos e climáticos vem contribuindo para a elevação dos preços dos ovos em Minas Gerais. A oferta do produto está caindo e a demanda, aumentando. Na comparação da média de julho, com igual período do ano anterior, a valorização já alcançou 37,69% na dúzia.
 
A oferta menor de milho, principal insumo da atividade, fez com que os custos de produção disparassem e os avicultores reduzissem o volume de aves poedeiras. Enquanto isso, a contração econômica e o aumento do desemprego tem estimulado maior consumo do produto que, mesmo com o valor inflacionado, ainda é mais acessível que as carnes.
 
Na Centrais de Abastecimento de Minas Gerais (Ceasa Minas), unidade Contagem, na RMBH (Região Metropolitana de Belo Horizonte), a dúzia de ovos foi negociada, em média, a R$ 3,47 nos primeiros 18 dias de julho, elevação de 37,69% em relação ao valor praticado em igual intervalo de 2015. Na comparação com junho, a alta é de 6,16%, já que no mês anterior a dúzia estava cotada a R$ 3,24.
 
De acordo com o chefe da Seção de Informação de Mercado da Ceasa Minas, Ricardo Martins, a oferta do produto está menor, enquanto a demanda segue aquecida.
 
Os últimos dados divulgados pela Ceasa Minas mostram que enquanto em maio a oferta de ovos era de 5,9 mil toneladas, em junho foi verificada retração de 10,5%, com a disponibilização de 5,29 mil toneladas. A tendência é encerrar julho com nova queda, já que nos primeiros 18 dias do mês a oferta foi de 2,5 mil toneladas. Se comparada com o período equivalente de 2015, a oferta ficou 10,9% menor.
 
“Influenciaram na queda da oferta e na valorização dos preços os custos mais elevados, em função do milho, e o clima mais frio, período em que tende a cair a produção e crescer o consumo. O milho, na Ceasa Minas, apresentou alta de 78,8% de julho de 2015 para agora, saindo de R$ 0,52 por quilo para R$ 0,93 o quilo”, explicou Martins.
 
A diretora-executiva da (Associação dos Avicultores de Minas Gerais), Marília Martha Ferreira, explica que a produção de ovos no Estado pode ficar menor em 2016. O aumento significativo do custo de produção em função da escassez de milho comprometeu a capacidade de investimentos nas granjas e alguns produtores optaram por reduzir a compra de pintainhos ou enviaram aves mais cedo para o abate, o que pode refletir na oferta até o fim do ano e início de 2017.
 
“O produtor pagava em torno de R$ 30 pela saca de 60 quilos de milho e, neste ano, o valor superou os R$ 50 por saca. O cereal responde por 70% dos custos da produção de ovos e apresentou este aumento substancial. O setor precisou repassar parte da elevação para o mercado, em uma tentativa de compensar os gastos elevados. Porém, continua trabalhando com margem estreita, comercializando a dúzia de ovos entre R$ 1,20 e 1,50”.
 
“Com o aumento das exportações do milho e com a produção menor que a esperada, o mercado interno ficou sem condições de atender à demanda por milho que é muito grande. A avicultura consome quase 200 mil toneladas por mês”, disse Marília.
 
De acordo com o presidente do Instituto Ovos Brasil, Ricardo Santin, a tendência é que os preços dos ovos se mantenham firmes uma vez que a produção nacional também tende a recuar.
 
Em relação aos preços do milho, a expectativa é de preços mais acessíveis para os avicultores ao longo dos próximos meses, mas não tão baixos como os praticados em 2015. Porém, o farelo de soja, que também compõe a ração animal, está valorizado, o que sustenta os custos de produção em alta.
 
“Tivemos um aumento significativo do farelo de soja, que passou de R$ 1,2 mil para R$ 1,7 mil por tonelada, alta de 41%. Acreditamos que, no caso do milho, com a cotação do dólar recuando e a colheita da safra norte-americana, as exportações deixarão de ser interessantes. Por isso, a tendência é que o milho da safrinha fique no mercado interno, o que pode impedir novas altas nos preços”, disse Santin.
 
Faltou milho no mercado interno
 

A valorização do milho no mercado interno ocorreu devido à menor produção. Somente no Estado, a previsão é de um recuo de 11,7% no volume colhido, que foi estimado em 6 milhões de toneladas, segundo os dados da Conab (Companhia Nacional de Abastecimento).
 
No País a queda na produção será de 18,3%, com 69,1 milhões de toneladas do cereal.
 
Além do clima que prejudicou a produção de milho, o real desvalorizado frente ao dólar e a demanda mundial elevada fizeram com que as exportações do cereal fossem alavancadas, desabastecendo o mercado interno. A maior liquidez da soja também fez com que muito produtores migrassem para a oleaginosa.
 
Somente no primeiro semestre, as exportações mineiras do cereal acumularam alta de 1.141% em faturamento, US$ 21,48 milhões, e de 1.242% em volume, com a exportação de 120,21 mil toneladas.

Atenção: Para comentar esse conteúdo é necessário ser cadastrado, faça seu cadastro gratuíto.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink