Preços do milho registram alta em novembro

MILHO

Preços do milho registram alta em novembro

No Paraná, Mato Grosso do Sul e Bahia a alta nos preços médios mensais foram de 7,21%, 14,40% e 5,19%, respectivamente
Por:
1128 acessos

O preço do milho catarinense apresentou alta de 7,3% este mês em comparação a outubro, segundo o Boletim Agropecuário de novembro emitido pelo Centro de Socioeconomia e Planejamento Agrícola (Epagri/Cepa). De acordo com o documento, os preços devem se manter fortalecidos até o fim do ano devido ao aumento das exportações brasileiras, à redução da atual safra americana e a maior demanda interna pelo grão.

Grãos
O arroz mantém preços estáveis em Santa Catarina. A safra 2019/20 segue plantio em ritmo normal, com expectativa de produtividade acima da observada na safra anterior.

O feijão carioca teve a saca de 60 quilos cotada em outubro a R$115,87 no estado, apresentando uma ligeira baixa de 1,67%. O feijão que ainda está disponível para venda é da safra 2018/19; com isso a qualidade do produto já não atende aos padrões de mercados mais exigentes, sobretudo no que diz respeito à cor. Nos demais estados, onde a primeira safra do feijão carioca é colhida mais cedo, os preços apresentaram altas significativas. No Paraná, Mato Grosso do Sul e Bahia a alta nos preços médios mensais foram de 7,21%, 14,40% e 5,19%, respectivamente.

A soja vem mantendo a tendência de crescimento na área cultivada. A estimativa atual para safra 2019/2020 apresenta um aumento da área em 2,6% em relação à safra 2018/19, e poderá alcançar 688.294 contra 670.330 hectares da safra 2018/19.  Os preços apresentam nova reação: a diminuição da safra americana e o dólar valorizado (acima de R$4,00) garante sustentação dos preços nacionais em outubro e novembro.

O trigo apresentou recuo nos preços no mês de outubro. Os produtores catarinenses que receberam em média R$43,41 pela saca de 60 kg em setembro passaram a receber R$42,31, o que representa uma baixa de 2,53%. Em Santa Catarina a colheita segue em ritmo acelerado: já foram colhidos cerca de 41% da área plantada em todo o estado.

Hortaliças
A safra catarinense de alho se desenvolve em condições consideradas fitossanitárias muito boas. O estado deverá ter uma das melhores safras em termos de qualidade comercial dos bulbos. Em relação ao mercado, as importações se mantêm em volumes mensais dentro da média histórica e mesmo com preço (FOB) com alguma redução nos últimos dois meses provocado por maior entrada de alho chinês, as expectativas para a comercialização da safra catarinense são positivas.

Com relação à cebola,  as expectativas se voltam ao mercado nacional para os próximos meses. As variedades precoces já estão sendo colhidas nas regiões do Alto Vale do Itajaí, Tabuleiro e Tijucas. As lavouras se desenvolvem em condições bastante favoráveis, o que deve garantir uma safra da alta qualidade dos bulbos e produtividade elevada acima de 30 t/ha.

Pecuária
Santa Catarina exportou 80,09 mil toneladas de carne de frango, o que representa uma queda de 5,42% nas exportações em relação ao mês anterior e de 38,99% na comparação com outubro de 2018. Segundo a Epagri/Cepa, essa queda nas exportações do mês passado deve-se, dentre outras coisas, a problemas nos trâmites burocráticos que retardaram o embarque dos produtos, mas a expectativa é de que essa situação se normalize a partir de novembro.

De janeiro a outubro, Santa Catarina exportou 1,07 milhão de toneladas de carne de frango, com faturamento de US$ 1,87 bilhão, o que significa um aumento de 6,76% em quantidade e de 11,19% em valor quando comparado ao mesmo período de 2018. O estado foi responsável por 33% das receitas geradas pelas exportações brasileiras de carne de frango nos dez primeiros meses do ano.

Já o boi gordo apresentou altas significativas nos preços nas primeiras semanas de novembro, com variações próximas de 7% em alguns estados, na comparação com a média de outubro. Em Santa Catarina a alta registrada no período foi de apenas 1,72%, fazendo com que os valores pagos fossem ultrapassados na maioria dos principais estados produtores.

Segundo a Epagri/Cepa, essas altas acentuadas observadas em alguns nos dois últimos meses devem-se principalmente ao bom desempenho das exportações, o que mantém aquecida a demanda por animais para abate e pressiona os preços para cima. “Para que se tenha uma ideia, desde setembro 22 novos frigoríficos foram habilitados para exportar carne bovina para a China, principal comprador da carne brasileira. Contudo, como as exportações catarinenses são bastante restritas – 3,1 mil toneladas entre janeiro e outubro, o que representa 0,21% do total nacional -, há um lapso temporal maior até que o estado seja afetado pelo movimento de alta observado nos demais estados”, afirma o gerente da Epagri/Cepa, Reney Dorow.

Santa Catarina exportou 31,45 mil toneladas de carne suína em outubro, o que representa uma queda de 4,74% em relação ao mês anterior e de 15,84% na comparação com outubro de 2018. O faturamento foi de US$ 67,64 milhões, o que representa queda de 6,50% em relação a setembro, mas alta de 8,65% na comparação com outubro de 2018. Assim como no caso da carne de frango, essa queda nas exportações de carne suína no mês passado está relacionada principalmente a problemas nos trâmites burocráticos que retardaram o embarque dos produtos.

De janeiro a outubro, Santa Catarina exportou 330,53 mil toneladas de carne suína, ou seja, 13,57% a mais em relação ao mesmo período de 2018, com faturamento de US$ 670,39 milhões, o que representa alta de 26,30% na comparação com o ano anterior. Santa Catarina foi responsável por 54,69% das receitas e 56,45% da quantidade de carne suína exportada pelo Brasil este ano.

No início de novembro o governo chinês oficializou a habilitação de sete frigoríficos catarinenses para exportar subprodutos de carcaças suínas para aquele país. A expectativa é que sejam exportadas até sete mil toneladas mensais de subprodutos de carne suína, com faturamento de US$ 15 milhões por mês para Santa Catarina.

Neste mês de novembro, o Ibge divulgou dados preliminares da sua Pesquisa Trimestral do Leite relativos aos meses do terceiro trimestre de 2019. No acumulado de janeiro a setembro de 2019, a quantidade de leite adquirida pelas indústrias inspecionadas cresceu 0,8% em relação à quantidade adquirida de janeiro a setembro de 2014. Esse discreto desempenho da produção leiteira brasileira e o decréscimo nas importações mostram que os baixos preços atuais decorrem da fraca demanda e não do excesso de oferta.


Atenção: Para comentar esse conteúdo é necessário ser cadastrado, faça seu cadastro gratuíto.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink