Preços elevam aposta no milho safrinha

Agronegócio

Preços elevam aposta no milho safrinha

Produtor paranaense vislumbra preços ainda melhores no próximo ano
Por: -Luana Gomes
1069 acessos

A reação chegou tarde para estimular o plantio de verão, mas amplia as apostas para a safrinha de 2011. Com plantio atrasado em Mato Grosso, produtor paranaense vislumbra preços ainda melhores no próximo ano

A reação dos preços do milho, que saltaram de R$ 13 a saca na metade do ano para mais de R$ 20 no Paraná, chegou tarde para estimular o plantio de verão, mas amplia as apostas para a safrinha de 2011. Planejando aumentar a área destinada ao cereal no inverno, agricultores estão antecipando o plantio da soja, apurou a Expedição Safra Gazeta do Povo, que percorreu o estado na última semana.

Nos últimos quatro anos, o Paraná encerrou o mês de outubro com cerca de um quarto da oleaginosa implementada, segundo a Secretaria Estadual da Agricultura e do Abastecimento (Seab). Neste ano, mais da metade da safra estará no campo até o final do mês.

Boa parte das atividades foi concentrada na semana passada, quando a umidade permitiu o rápido avanço das máquinas. “Os produtores estavam esperando a chuva com o motor do trator ligado. Praticamente toda a soja foi plantada em 20 dias na região”, relata o técnico da cooperativa C.Vale, com sede em Palotina, no Oeste do estado. Uma das primeiras a iniciar o plantio de verão no Paraná, a região tem apenas cerca de 10% da área por semear e, se o clima permitir, deve encerrar os trabalhos nos próximos dias.

A antecipação do plantio revela uma aposta crescente na segunda safra. De acordo com técnicos e analistas consultados pela Expedição, a área que o milho perdeu neste verão no Paraná pode ser recuperada no inverno de 2011. Animados com a reação dos preços e com o aquecimento do consumo mundial, agricultores afirmam que pretendem ampliar o plantio da safrinha.

Com a semeadura do milho de verão ainda atrasada, eles aproveitaram a umidade para antecipar o plantio da soja. Nos Campos Gerais, região que normalmente é a última a largar às plantadeiras no Paraná, aproximadamente um quarto da oleaginosa já está no campo, índice muito superior à média histórica. Em alguns casos, as máquinas foram largadas antes mesmo do período ideal de plantio recomendado pelo zoneamento.

A pressa se justifica. Com o plan­­tio da soja muito atrás da normalidade em Mato Grosso, produtores vislumbram preços ainda me­­lhores para o milho no próximo ano, relata o técnico da Coamo, de Campo Mou­rão (Centro-Oeste), Nei Cesconetto. Se os trabalhos não deslancharem logo, os mato-gros­­senses podem ter que reduzir a sua área de safrinha. Se isso acontecer, po­­de haver aperto na oferta e o Pa­­raná poderá ocupar o espaço deixado por Mato Grosso no mercado.

Atenção: Para comentar esse conteúdo é necessário ser cadastrado, faça seu cadastro gratuíto.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink