Presidente tem até dia 17 de outubro para sancionar MP do Código Florestal
CI
Agronegócio

Presidente tem até dia 17 de outubro para sancionar MP do Código Florestal

Enquanto não for aprovada fica valendo lei antiga
Por:
Enquanto não for aprovada fica valendo lei antiga
 
A presidente Dilma Rousselff tem até o próximo dia 17 de outubro para sancionar a Medida Provisória 571, que altera o novo Código Florestal. De acordo com informações da assessoria de imprensa da Casa Civil ao Agrodebate, após a aprovação do Senado, é estabelecido um prazo de 15 dias depois da chegada do texto à Casa Civil para que a lei seja sancionada.

Durante o período de análise da presidência, ficará valendo a lei antiga. Depois da aprovação a lei será substituída pelo nova redação aprovada pela Câmara Federal e pelo Senado.

O deputado federal e presidente da Frente Parlamentar da Agropecuária, Homero Pereira (PSD-MT), disse ao Agrodebate que este prazo não irá afetar o trabalhado feito pelos parlamentares. "Até a semana que vem ela tem que sair. Não corre o risco de perder o trabalho se for sancionado".

A aprovação

Após passar pela Câmara, a MP 571 foi aprovada pelos senadores no último dia 25 de setembro. Os senadores decidiram interromper o período de recesso para fechar o acordo. As mudanças teriam que ser feitas pela Câmara e pelo Senado antes do dia 8 de outubro, prazo final para que as propostas pudessem ser submetidas a avaliação e sanção da presidencial.

Entre as mudanças constam a possibilidade de computar a área de preservação permanente no cálculo da reserva legal. Pela MP do governo, os agricultores e pecuaristas com propriedades de 4 a 10 módulos fiscais teriam que recompor 20 metros de APP em rios de mais de 10 metros de largura. O texto aprovado na Câmara e no Senado reduziu o raio da APP para 15 metros em propriedades de 4 a 15 módulos fiscais.

O texto ainda impõe a necessidade de recomposição das áreas de preservação permanentes (APPs) em áreas consolidadas de nascentes e olhos d'água em raio de 15 metros. A emenda do senador Rollemberg, substituiu uma espécie de escala estabelecida na MP original que definia o tamanho da recomposição de acordo com a dimensão da propriedade.

A MP também foi modificada para incluir, na recomposição de APPs, a possibilidade de plantio de árvores frutíferas. No mesmo sentido, foi incluída norma prevendo, na recomposição de reserva legal, o plantio intercalado de espécies nativas com exóticas ou frutíferas.

Atenção: Para comentar nesta página é necessário realizar o seu cadastro gratuíto ou entrar.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink