Produção animal encerrou plantões técnicos da Fepagro na Expointer
CME MILHO (DEZ/20) US$ 4,112 (0,05%)
| Dólar (compra) R$ 5,61 (0,12%)


Agronegócio

Produção animal encerrou plantões técnicos da Fepagro na Expointer

O plantão de técnicos na Casa da Fepagro encerrou, na sexta-feira (03), com a apresentação dos trabalhos de pesquisa desenvolvidos na área de produção animal
Por: -Janice
1281 acessos

O plantão de técnicos na Casa da Fepagro encerrou, na sexta-feira (03), com a apresentação dos trabalhos de pesquisa desenvolvidos na área de produção animal. O grupo técnico esteve formado pelas pesquisadoras-doutoras em medicina veterinária Goreti Reis e Corália Medeiros, e em oceanografia biológica, Tânia Maria Alves da Silva, e os mestres em produção animal, zooctenistas Giselda Pires e Jorge Martins.

Produção de siri

Tânia Silva esteve apresentando dois projetos desenvolvidos na unidade de aquicultura Fepagro Litoral, em Rio Grande. A pesquisadora trabalha no desenvolvimento de tecnologias de produção massiva de larvas de siri azul e produção de siri mole(Callinectes sapidus). “O projeto busca o domínio do desenvolvimento larval completo e produção de juvenis para a manutenção de uma aquicultura regional sustentável”, explica a especialista. Segundo ela, a iniciativa permitirá o aumento de renda das comunidades de pesquisadores artesanais.

Capim-annoni

Trabalhos de pesquisa realizados na Fepagro Campanha, unidade Dom Pedrito, com o controle do capim-annoni em campo nativo foram apresentados pela pesquisadora Corália Medeiros. “O trabalho consistiu no estudo da dinâmica vegetacional em área onde foi realizada a aplicação seletiva de herbicida, a base de glifosato, com a utilização do implemento ‘roçadeira química’”, explica Corália. “A aplicação do herbicida mais o diferimento da pastagem resultou na diminuição da área de cobertura e massa seca de capim-annoni e diminuição do número de panículas”, prossegue. Corália salienta que houve diminuição no número de touceiras de maior tamanho. Além disso, a pesquisadora recomenda que a utilização da roçadeira química seja feita num período anterior a emissão de sementes desta invasora. Outro trabalho de pesquisa identificou que o capim- annoni não apresenta raízes mais profundas que o campo nativo, portanto, não é esse o mecanismo que lhe confere tolerância ao déficit hídrico, finaliza a pesquisadora.

Projeto de apoio à bovinocultura leiteira do RS

A Fepagro está desenvolvendo dois projetos de apoio à bovinocultura do Estado. Um dos trabalhos é o Centro de Recria de Bezerras Leiteiras da Região da Campanha e outro trata da eficiência reprodutiva e sanidade em rebanhos leiteiros na região Noroeste do RS. O centro visa validar tecnologias de recria de bezerras da raça leiteiras , promovendo práticas de manejo nutricional, sanitário, reprodutivo e de gestão. O trabalho está sendo desenvolvido pelas prefeituras de Aceguá, Bagé, Hulha Negra, Seappa e Emater/RS-Ascar.

Reprodução de suínos

Os efeitos da sazonalidade na eficiência reprodutiva de suínos estão em estudo pela pesquisadora Goreti Reis, em parceria com a Emater/RS-Ascar e a Associação de Criadores de Suínos do RS (ACSURS). O trabalho consiste na avaliação de dados referentes ao sêmen coletado e processado na Central de Inseminação da ACSURS, no período de 1994 a 2007. “Foi feita uma avaliação preliminar dos dados referentes aos anos 2005, 2006 e 2007”, explica a pesquisadora. Nesse estudo, continua ela, dados de inverno e de verão foram usados para gerar elementos de análise descritiva para as variáveis indicadoras de qualidade e quantidade seminais, que são volume e motilidade. Segundo Goreti, “os dados analisados sugerem que essas variáveis maiores no inverno do que no verão indicam que há um fator de sazonalidade afetando a qualidade e quantidade do sêmen”. A pesquisa constatou, ainda, que a sazonalidade afeta a maioria dos machos que produzem uma menor quantidade espermática no verão, sendo esse efeito mais acentuado em alguns machos.

Cordeiros Corriedale

Os zootecnistas apresentaram um trabalho de avaliação da morfologia e das características de carcaças de cordeiro Corriedale em pastagem nativa. A pesquisa foi desenvolvida na unidade Fepagro Forrageira de São Gabriel. Segundo Giselda, os animais foram submetidos a três tratamentos: campo nativo melhorado, com introdução de espécies hibernais sob pastejo rotativo; campo nativo sob pastejo rotacionado e campo nativo sob pastejo continuo. “Os cordeiros foram abatidos quando a média do lote alcançou o peso vivo entre 30 e 40 quilos”, explica a zootecnista. Os especialistas avaliaram as medidas corporais e a conformação das carcaças. “Foi concluído que o sistema de pastejo rotacionado apresentou melhores resultados com relação as medidas corporais in vivo e uma menor idade de abate’, conclui Giselda. Na relação peso vivo ao abate e peso de carcaça quente o melhor resultados foi o tratamento de pastejo continuo.

Novilhos Braford no Bioma Pampa

A pesquisa avaliou as medidas corporais de novilhos da raça Braford sob pastejo em diferentes ofertas de campo nativo no Bioma Pampa. O experimento foi conduzido na Fepagro Campanha, em Hulha Negra. Os pesquisadores verificaram que as medidas corporais dos animais submetidos a uma oferta de 16% , nem sempre foram superiores as medidas corporais dos animais submetidos a ofertas de 8 e 12 %. Isso em função do excesso de espécies nativas pouco aceitas e pouco palatáveis que se desenvolvem devido a uma menor pressão de pastejo. Segundo Giselda, a oferta de 4% penaliza o desenvolvimento muscular. “A medida morfométrica que melhor se correlacionou com o peso vivo foi o perímetro torácico”, conclui a zootecnista.

As informações são da assessoria de imprensa da Fundação Estadual de Pesquisa Agropecuária.

Anúncios que podem lhe interessar


Atenção: Para comentar nesta página é necessário realizar o seu cadastro gratuíto ou entrar.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink