Produção de defensivos chineses diminui em 16%

Usamos cookies para armazenar informações sobre como você usa o nosso site e as páginas que visita. Tudo para tornar sua experiência a mais agradável possível. Leia os Termos de Uso e a Termos de Privacidade.


CI
MUNDO

Produção de defensivos chineses diminui em 16%

Mais de 70% da demanda global é produzida na China
Por: -Leonardo Gottems

A produção de defensivos agrícolas da China caiu cerca de 16% no ano de 2018, segundo um levantamento realizado pela Global Crop Protection. De acordo com a pesquisa, mais de 70% da demanda global é produzida na China, que desempenha um papel importante no mercado mundial de defensivos agrícolas. 

A diminuição dos defensivos agrícolas da China tem ligação direta com uma grande reestruturação interna na indústria química que já dura cerca de dez anos. “Entre os anos 2014 e 2016, o país produziu mais de 3,74 milhões de toneladas de defensivos agrícolas. Porém, a partir de 2016 foi iniciado as políticas ambientais do país, resultando em fechamento de fábricas e redução na capacidade de produção de defensivos”, disse o Global Protection. 

“Em 2017, a China produziu cerca de 2,94 milhões de toneladas, queda de aproximadamente 22% ante o volume de 3,78 milhões de toneladas em 2016. Em 2018, o país produziu 2,47 milhões de toneladas de defensivos, queda de 16% (ou 473 mil toneladas) em relação a 2017. Além disso, o volume produzido em 2018 foi o menor nos últimos 8 anos”, completa. 

De acordo com Ministério de Ecologia e Meio Ambiente da China, será realizada uma nova rodada de inspeções ambientais que se iniciarão em 2019 e terão duração de 4 anos. Portanto, espera-se que ainda ocorra mais reduções na produção anual de defensivos nos próximos anos. 

“A Província de Jiangsu, responsável por 39% da produção defensivos em dez/18, produziu cerca de 79,7 mil toneladas, redução de 30,7 mil toneladas (ou 28%) em relação a dez/17. No mesmo período de análise (dez/17 e dez/18), a Província de Shandong reduziu sua produção de defensivos pela metade”, conclui. 


Atenção: Para comentar nesta página é necessário realizar o seu cadastro gratuíto ou entrar.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink