Produção transgênica será apreendida pela PF no RS


Agronegócio

Produção transgênica será apreendida pela PF no RS

Por:
3 acessos

A Polícia Federal de Passo Fundo deve receber na próxima semana o resultado dos exames feitos na soja coletada nos dois últimos dias em indústrias e cooperativas do norte do Estado. Se for confirmada a presença de sementes transgênicas, a produção será apreendida.

A fiscalização terminou ontem na região. Foram recolhidas amostras de soja em nove indústrias e cooperativas em Passo Fundo, Erechim, Carazinho e Getúlio Vargas, que serão analisadas em Porto Alegre, no laboratório de perícias da PF e da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa).

- Vamos apreender toda a soja transgênica entregue - alertou o delegado da PF Mário Vieira.

A operação da PF alarmou os produtores. O presidente da Associação de Produtores de Sementes e Mudas (Apassul), Nereo Starlick, disse ontem que, caso se confirme a presença de transgênicos nos silos, não haverá opção de entrega do produto na próxima safra.

- Vai ser um caos na economia do Estado - diz Starlick.

Os produtores da Apassul consideram a liberação dos transgênicos a única forma de solucionar o impasse. Dizem que hoje, se um produtor entregar soja transgênica, o restante do grão é contaminado, já que é armazenado no mesmo local. Afirmam que, com a liberação, os produtores que escolhessem usar o produto teriam armazenagem em local distinto.

- O momento é grave, e o Estado terá de se posicionar - observou o agricultor Narciso Barison Neto, proprietário da NBN Sementes, em Vacaria, que nos últimos dias esteve reunido com o secretário da Agricultura, Odacir Klein.

Há cinco anos, as sementes fiscalizadas ocupavam de 65% a 70% do plantio de soja no Estado. Em 2002, essa estimativa da Apassul caiu para entre 30% e 40%.

Para o diretor da Apassul, Eduardo Loureiro da Silva, a maior conseqüência da disseminação descontrolada dos transgênicos é a desestruturação da pesquisa. Mesmo que os transgênicos fossem legalizados agora, seriam necessários de três a quatro anos para que variedades regularizadas pelo Ministério da Agricultura chegassem aos produtores.

Os transgênicos serão tema de um café da manhã na segunda-feira, na Federação da Agricultura (Farsul), em Porto Alegre. Foram convidados o secretário da Agricultura e deputados e senadores gaúchos. O presidente da entidade, Carlos Sperotto, também pediu audiência com o presidente Luiz Inácio Lula da Silva para tratar do assunto.


Atenção: Para comentar nesta página é necessário realizar o seu cadastro gratuíto ou entrar.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink