Produtor endividado poderá disputar crédito

Agronegócio

Produtor endividado poderá disputar crédito

Os critérios para as produtores endividades já estão sendo estudados
Por:
1 acessos

Os recursos anunciados nessa quinta-feira (28-06) dentro do Plano Safra 2007/2008 poderão ser disputados não apenas pelos produtores que estão com as contas em dia, mas também pelos endividados. O anúncio foi feito nessa quinta-feira pelo ministro da Agricultura Reinhold Stephanes, que esteve em Curitiba (PR) no final da tarde participando do encerramento do VIII AgroEx - seminário do agronegócio para a exportação, promovido pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa).

“Os endividados também poderão competir ao crédito”, garantiu, acrescentando que uma equipe já está estudando os critérios. “Prorrogamos dívidas passadas, de custeio e investimento, para até 31 de agosto. Até lá, devemos apresentar critérios para o equacionamento de dívidas para o futuro”, afirmou. O ministro lembrou que o endividamento rural brasileiro vem do início da década de 90 e é resultado de planos econômicos e frustração de safra por problemas climáticos.

O estoque de dívidas do setor é estimado em R$ 131 bilhões. “O primeiro grande trabalho é conhecer o endividamento rural. Depois, é saber qual é a renda do produtor e a possibilidade de se pagar a dívida. Verificamos que o agricultor, quando tem renda, paga suas dívidas”, afirmou. O levantamento sobre a dívida do setor está sendo realizado por representantes do Ministério da Agricultura, parlamentares, Banco do Brasil, BNDES e entidades representativas do setor, como CNA (Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil) e OCB (Organização das Cooperativas Brasileiras).

Os produtores mais endividados estão no Centro-Oeste por conta da infra-estrutura precária que dificulta o escoamento da safra e aumenta o custo do produtor. O ministro afirmou que esses produtores só terão condições de começar a pagar as dívidas no período 2009/2010. Ele observou que o cenário é diferente no Paraná, onde os produtores já começam a saldar suas dívidas referentes às safras anteriores.

Sobre a redução da taxa de juros, de 8,75% para 6,75% ao ano, o ministro considerou um avanço, mas reconheceu que não é das menores. “Em todo o mundo, o juro para a agricultura é menor e subsidiado”, comparou. Para a safra 07/08, a estimativa é que a produção agrícola brasileira seja, no mínimo, de 135 milhões de toneladas. A safra atual é de 131 milhões.

Defesa sanitária

Outro ponto positivo destacado pelo ministro foi quanto à defesa sanitária animal e vegetal. “Houve um compromisso do presidente Lula de que não faltarão recursos para a defesa sanitária. Hoje faltam planos, projetos, melhor integração com os estados. Quando a capacidade de organização for mostrada, os recursos serão liberados”, arrematou.


Atenção: Para comentar esse conteúdo é necessário ser cadastrado, faça seu cadastro gratuíto.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink