Produtor que adiou aquisição de insumos tem piora no poder de compra
CI
Imagem: Divulgação
SAFRA 2021/22

Produtor que adiou aquisição de insumos tem piora no poder de compra

Os produtores que adiaram a aquisição de insumos foram mais prejudicados em relação àqueles que realizaram suas compras entre janeiro e abril
Por: -Aline Merladete

Os elevados preços de comercialização da soja em grão garantiram produtividade de nivelamento (quantidade de sacas por hectare necessárias para quitar os custos de produção) favoráveis aos agricultores em boa parte deste ano. No entanto, a intensa valorização de importantes insumos agrícolas nos últimos meses vem gerando preocupação entre produtores. Assim, aqueles que adiantaram as compras dos insumos da safra 2021/22 estão menos apreensivos do que os que deixaram para negociar apenas recentemente. 

Nesse cenário, o Cepea, em parceria com a CNA, realizou uma simulação, comparando as situações de produtores de soja Intacta que compraram insumos para a safra 2021/22 no início de 2021 e os que postergaram as aquisições. Foram tomadas como base duas importantes regiões produtoras do País: o Sul e o Cerrado.  No Cerrado, o Cepea analisou três praças – Rio Verde (GO), Triangulo Mineiro (MG) e Sorriso (MT) – em duas épocas de aquisição de insumos, sendo a primeira de janeiro a abril e a segunda, entre junho e setembro, do ano de 2021.

Os produtores do Cerrado que postergaram a compra de insumos tiveram uma diferença no COE (Custo Operacional Efetivo) de R$ 578,47/ha, ou seja, alta de 16,2% em relação aos produtores que realizaram as aquisições no início do ano (primeira temporada). Para o COT (Custo Operacional Total) e o CT (Custo Total), os aumentos foram de, respectivamente, 15,3% e de 11,3%, em relação aos registrados na primeira temporada de aquisição de insumos. Essa diferença representa 3,82 sacas de soja/ha a mais.

Na região Sul, foram considerados os dados apurados pelo Cepea/CNA em Cascavel (PR), Camaquã (RS) e Xanxerê (SC). Entre o primeiro (de janeiro a abril/21) e o segundo momento de compras (de junho a setembro/21)para a safra 2021/22, foram verificados aumentos de 15,2%, 13,9% e 8,2% para, nessa ordem, COE, COT e CT. Sendo a produtividade de nivelamento acrescida de, respectivamente, 3,96
scs/ha, 4 scs/ha e 4,06 scs/ha. Ademais, ao serem analisadas as compras efetuadas em janeiro e em setembro, a alta no CT chega a 18,8%

Diante disso, os produtores que adiaram a aquisição de insumos foram mais prejudicados em relação àqueles que realizaram suas compras entre janeiro e abril. Isso se deve à valorização dos insumos, sobretudo dos fertilizantes. Esse panorama é pior para os sojicultores sulistas que, tradicionalmente, compram os insumos de forma mais tardia e, por isso,sofreram com a alta na produtividade de nivelamento, frente aos produtores do Cerrado.

A tomada de decisão quanto ao período ideal de compra de insumos é difícil e, por isso, é importante que produtores sempre estejam atentos ao mercado internacional, ao dólar e ao avanço mensal na relação de trocade grãos por insumos. Nesta simulação, ficou evidente que, quem deixou para comprar “em cima da hora”, fez uma aquisição bem mais cara. Apesar disso, os elevados preços da soja ainda podem fazer com que agricultores registrem faturamento positivo na safra 2021/22.

os dados são do Cepea.


Atenção: Para comentar nesta página é necessário realizar o seu cadastro gratuíto ou entrar.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink

Usamos cookies para armazenar informações sobre como você usa o site para tornar sua experiência personalizada. Leia os nossos Termos de Uso e a Privacidade.