Produtores baianos de abacaxi comemoram faturamento

Agronegócio

Produtores baianos de abacaxi comemoram faturamento

O período de safra vai de meados de junho até meados de novembro
Por: -Carlos Baumgarten
755 acessos

Ações do Sebrae e parceiros com a Cooperativa de Produtores de Itaberaba proporcionaram crescimento e acesso a novos mercados

A competência dos produtores de abacaxi do município baiano de Itaberaba, a 285 km de Salvador, aliada a um clima favorável à produção e comercialização da fruta, trouxe um resultado expressivo para um grupo de cooperados locais. Até o final de outubro, a Coopaita – Cooperativa dos Produtores de Abacaxi de Itaberaba - registrou um faturamento de R$ 3.775.536.32. O período de safra vai de meados de junho até meados de novembro. Ou seja, até o final da colheita, esse valor será superado.

A Coopaita, fundada em 2003, atende hoje 140 famílias. No início, dificuldades relativas à gestão e abertura de novos mercados formavam o principal gargalo para o grupo se desenvolver. O faturamento da cooperativa, em 2003, durante o período de safra, foi de R$ 98.494,75. “A partir das consultorias que recebemos do Sebrae Bahia, nossos ganhos aumentaram ao longo dos anos”, destaca Valdomiro Vicente, presidente da Coopaita.

A produção é realizada através da cultura de sequeiro, ou seja, sem irrigação. Por conta disso, os produtores de Itaberaba dependem também dos fatores climáticos para conseguir um bom desempenho. “Este ano, deu tudo certo. Mas temos que nos preparar, também, para períodos em que o clima pode não ajudar muito”, explica Valdomiro. “Nosso foco principal está na comercialização. Porém, esse crescimento nos possibilitou ampliar nossas estratégias também para a industrialização”, complementa.

A unidade agroindustrial está na fase final de estruturação e deve começar a funcionar em janeiro. Valdomiro afirma que serão produzidos abacaxis desidratados. “É preciso incentivar os produtores a tornarem-se cooperados, mostrando que o caminho do crescimento está, de fato, na cooperação. Além disso, precisamos encontrar novas formas de escoamento de produção. Nesse sentido, o apoio do Sebrae tem sido fundamental”.

Os produtores da Coopaita, através do projeto de Fruticultura do Sebrae, já participaram de missões técnicas e comerciais. Eles também estão inseridos, desde a safra de 2007, no programa Comércio Brasil. “As missões comerciais servem para que os produtores possam renovar os seus contatos e ampliar a sua rede de compradores. Cada missão é expressiva no sentido de possibilitar o acesso a novos mercados mercado para esses produtores”, destaca Marsel Nogueira, agente de mercado do programa Comércio Brasil e consultor do Sebrae.

A analista de Atendimento Coletivo do Sebrae Bahia para agronegócios, Célia Fernandes, afirma que esse é resultado é fruto de um trabalho que já vem sendo desenvolvendo há algum tempo. “Temos o envolvimento de parceiros, como EBDA, Adab e Embrapa, entre outros, que contribuem para o fortalecimento dessa produção. Produzir abacaxi na região do semiárido baiano e obter resultados tão expressivos como esse é também o reflexo da proatividade dos produtores da região, que agora caminham para o novo passo, a verticalização da produção através da agroindústria”, aponta Célia.

Atenção: Para comentar esse conteúdo é necessário ser cadastrado, faça seu cadastro gratuíto.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink