Produtores de Mato Grosso não conseguem renegociar dívidas por demora em homologação de emergência

Agronegócio

Produtores de Mato Grosso não conseguem renegociar dívidas por demora em homologação de emergência

A demora do Governo Federal homologar a situação de emergência por seca em 29 municípios de MT está interferindo nas renegociações de dívidas
Por:
964 acessos

A demora do Governo Federal homologar a situação de emergência por seca em 29 municípios de Mato Grosso está interferindo nas renegociações de dívidas da safra 2015/2016. Entre a soja e o milho, estima-se que mais de R$ 3 bilhões tenham deixado de circular no Estado diante a quebra de aproximadamente 8 milhões de toneladas entre as duas culturas.

As dificuldades dos produtores afetados pela seca provada pelo fenômeno El Niño na safra 2015/2016 foram levadas na última terça-feira, 11 de outubro, ao Ministério da Integração Nacional pelo vice-governador Carlos Fávaro. Conforme ele, a não oficialização por parte do Governo Federal da situação de emergência por déficit hídrico nos 29 municípios mato-grossenses estaria interferindo na renegociação do crédito rural dos produtores das regiões afetadas.

A intenção do Governo de Mato Grosso em "pressionar" o Governo Federal para que os produtores mato-grossenses tenham a tranquilidade de prorrogar a parcela dos pagamentos de investimentos de 2016 e assim se manter na atividade.

“Trouxemos a pauta junto ao ministro da Agricultura Blairo Maggi, que conhece o problema e comprou prontamente um pedido de prorrogação das parcelas de investimentos de 2016, mas isso está lastreado na validação dessas emergências pelo Ministério da Integração Nacional”, pontuou Fávaro.

Entre os municípios com situação de emergência decretada devido a seca pelo Governo de Mato Grosso estão São Félix do Araguaia, Água Boa, Cláudia, Querência, Novo São Joaquim, Nova Xavantina, Canabrava do Norte.

Em São Félix do Araguaia, como o Agro Olhar já comentou, segundo a Defesa Civil, caso o stress hídrico permaneça o município pode chegar a um colapso por desabastecimento de água na zona rural. O município tem apenas um caminhão pipa em operação, o que é insuficiente para a grande demanda. Os assentamentos que estão em crise hídrica são: Dom Pedro, Carnaúba, Serra dos Magalhães, Mãe Maria, Lago de Pedra e Azulão da Gameleira.

Dentre os municípios com situação de emergência já reconhecidos pelo Governo Federal estão apenas Água Boa, Cláudia e Querência, conforme consta na Portaria nº 175 da Secretaria Nacional de Proteção e Defesa Civil, ligada ao Ministério da Integração Nacional, e que foi publicada no Diário Oficial da União (DOU) do dia 23 de setembro.


Atenção: Para comentar esse conteúdo é necessário ser cadastrado, faça seu cadastro gratuíto.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink