Produtores de SC estão em alerta contra a raiva bovina

Agronegócio

Produtores de SC estão em alerta contra a raiva bovina

Há 12 anos não havia registro dessa doença no Sul de Santa Catarina
Por: -Ana Paula Cardoso
2 acessos

Nos últimos meses, o gado bovino do Sul de Santa Catarina é alvo freqüente de ataques de morcegos hematófagos contaminados com o vírus da raiva, transmitido pela saliva.

Entre os meses de setembro e novembro, pelo menos 40 animais morreram. Destes, 10 tiveram o diagnóstico de raiva confirmado pelo laboratório do Cidasc. De Tubarão a Passo de Torres, cerca de 50 morcegos foram capturados para análise.

De acordo com o engenheiro agrônomo do Cidasc de Urussanga, Benício Daminelli, há 12 anos não havia registros de raiva bovina.

"Dos demais animais mortos, ou os criadores não vacinaram e morreram e a Cidasc não foi avisada, ou os criadores abateram o gado doente e venderam a carne, o que é preocupante", afirma.

Custo da prevenção é considerado baixo

O custo de manutenção da saúde do gado é barato - 10 doses da vacina custam R$ 8 - e deve ser feito uma vez ao ano para fortalecer a imunidade. O produtor Aristides Jorge Frasson, vacinou o rebanho, mas teve o gado mordido.

"A saliva do morcego possui um anticoagulante, por isso o ferimento custa a cicatrizar. Além disso, o mesmo morcego pode voltar a sugar o sangue do mesmo animal", diz.

De acordo com o médico veterinário da regional da Cidasc em Criciúma, Eduardo Rezende, nem todo morcego hematófago está contaminado com o vírus, por isso nem todo gado sugado tem raiva.

Para não erradicar os morcegos, o que causaria um desequilíbrio ecológico, nos últimos meses é realizado na região um trabalho de controle bioecológico de verificação dos mamíferos voadores e eliminação de algumas colônias.

"Nas propriedades em que o rebanho é atingido temos feito captura (com redes de espera) de alguns exemplares para análise. Aplicamos um veneno (pasta vampiricida) no dorso do animal, que quando volta para a colônia dissemina esse veneno entre os demais animais para eliminação", explica Rezende.

Atenção: Para comentar esse conteúdo é necessário ser cadastrado, faça seu cadastro gratuíto.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink