Controle

Produtores iniciam diálogo para suspender embargos às pistas de avião

Legislação ainda traz muita confusão
Por: -Aline Merladete
108 acessos

As pistas embargadas são utilizadas pelas aeronaves para a pulverização de defensivos agrícolas para o combate a pragas e doenças como o bicudo do algodoeiro, mosca branca, pulgão, nematóides, pulgões, dentre outros. Diante da ação do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e Recursos Renováveis (Ibama), os produtores rurais baianos, por meio da Associação Baiana dos Produtores de Algodão (Abapa), se reuniram nesta sexta-feira (20) com o vice-presidente do órgão, Luciano Evaristo, solicitando apoio na suspensão dos embargos a 22 pistas de pouso de propriedades rurais até a conclusão da safra de algodão no oeste da Bahia, cuja fase da colheita se inicia em junho.

“No caso da operação das pistas, a legislação ainda traz muita confusão. As pistas de pouso são registradas pela Anac [Agência Nacional de Aviação Civil] e as aeronaves no Ministério da Agricultura. Os embargos aconteceram por causa de um decreto, de teor confuso, e que só está em vigência na Bahia, e cumpridos por um órgão de fiscalização federal. 

Somado ao fato de que os produtores podem ser prejudicados em um período crítico de defesa sanitária da lavoura de algodão, estamos trabalhando, primeiro, para reverter estes embargos como forma de garantir um entendimento pacificado entre os órgãos fiscalizadores para o posterior atendimento das pistas à legislação vigente”, explica o diretor executivo da Abapa, Lidervan Morais, presente na reunião.  
 

Atenção: Para comentar esse conteúdo é necessário ser cadastrado, faça seu cadastro gratuíto.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink