Produtores recebem orientações sobre clima para 2017

Agronegócio

Produtores recebem orientações sobre clima para 2017

A iniciativa é parceria da Secretaria de Agricultura, Faeal e Ufal
1204 acessos

A iniciativa é parceria da Secretaria de Agricultura, Faeal e Ufal

Produtores rurais de todas regiões do Estado lotaram o auditório da Federação da Agricultura de Alagoas (Faeal), em Maceió,  para acompanhar as orientações do professor Luiz Carlos Molion, da Universidade Federal de Alagoas  (Ufal), sobre as tendências climáticas. A iniciativa é parceria da Secretaria de Agricultura, Faeal e Ufal.

Com o tema "Diagnóstico do clima e perspectivas para os próximos dez anos", o professor Molion ressalta que, com base nos dados históricos entre 2012 a 2016, este ano foi extremamente ruim, onde constata-se que açudes e rios secaram no Agreste e no Sertão.

"As informações são de grande utilidade para os produtores, uma vez que eles podem fazer um planejamento e evitar perdas em suas lavouras", afirma o professor Molion. Segundo ele, o efeito El Niño, que provocou a estiagem, deve ser substituído pelo La Niña, e a situação do clima ficará mais estável.

Molion explica ainda que com o esfriamento do Pacífico 2017 ficara abaixo da média de chuvas, mas será bem melhor do que 2016. "Caso minhas previsões estejam erradas, de acordo com os dados analisados, os produtores não terão prejuízos, uma vez que as chuvas vêm amenizar o sofrimento dos alagoanos".

O professor destaca ainda que o modelo de clima utilizado em sua análise é da similaridade, ou seja, faz comparações entre o período de 1997 a 2001, no qual as águas no Pacífico ficaram mais frias, com o efeito La Niña e isso deve provocar mais chuvas nas regiões.

Para o secretário de Agricultura, Pesca e Aquicultura de Alagoas,  Álvaro Vasconcelos,  as informações dadas por Molion são de grande relevância e passam ser mais uma ferramenta de planejamento para os produtores alagoanos.

"As orientações servem, sobretudo, para dar mais segurança aos produtores de Alagoas no período de cultivo em todas as regiões do Estado e evitar prejuízo nas colheitas", afirma Vasconcelos.

Dados técnicos

José Montenegro, produtor há mais de 50 anos em Tanque D'Arca, afirma que a situação é muito preocupante e que a região está sem inverno há mais de cinco anos. "Para se ter uma ideia da gravidade, estamos sem água para o consumo humano e animal".

O presidente da Federação da Agricultura de Alagoas, Álvaro Almeida, destaca a parceria com o Governo de Alagoas, por meio da Seagri, levando dados técnicos sobre as previsões de chuva para os produtores rurais.

 


Atenção: Para comentar esse conteúdo é necessário ser cadastrado, faça seu cadastro gratuíto.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink