Produtores rurais de Piracema iniciam no Projeto ABC Cerrado

Agricultura

Produtores rurais de Piracema iniciam no Projeto ABC Cerrado

INPE) divulgou em junho deste ano, através do Ministério do Meio Ambiente, dados que apontam o desmatamento no Cerrado do país
45 acessos

O Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE) divulgou em junho deste ano, através do Ministério do Meio Ambiente, dados que apontam o desmatamento no Cerrado do país. O aumento foi de 9%, comparado aos números de 2017. Para mudar esse cenário, ações estão sendo implantadas junto ao produtor rural. Com cursos específicos, pretende-se levar ao homem do campo o conhecimento necessário em tecnologias e pesquisas para a recuperação do Cerrado Brasileiro, justamente o objetivo do Projeto ABC Cerrado. Na semana passada, mais uma turma de produtores, da cidade de Piracema, iniciou no projeto. É o primeiro desenvolvido pela regional de Lavras.

O projeto é dividido em 4 módulos e tem como instrutor Renato Picinin. O primeiro módulo, que é teórico, apresenta para o produtor participante como funciona o projeto, seus objetivos e metas. No segundo, acontece o dia de campo, no qual é feito o levantamento e avaliação das áreas degradadas daquela região. “O projeto começou há um ano. Foram selecionados 50 produtores de áreas distintas. Desses, 30 participarão do projeto e os outros 20 serão acompanhados fora do programa”, explica o instrutor.

A ideia do ABC Cerrado é implementar ações no campo utilizando tecnologias desenvolvidas pela Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa), que é parceira do projeto junto com o Senar, MAPA e Banco Mundial. Segundo Renato, o produtor desconhece o que é uma área degrada, há uma carência muito grande de informações: “O que percebo é que a grande maioria não sabe distinguir um problema de pasto. Com o curso pretendemos dar esse suporte, apresentar para o produtor formas eficientes para implantar uma lavoura sem agressão ao meio ambiente”, diz Renato.

E os produtores de Piracema estão animados. Elton Wagner Lara, aluno do curso, já está aplicando as técnicas e orientações recebidas pelo instrutor. O produtor, que trabalha com bovinocultura de leite e corte, diz que a iniciativa foi excelente: “Agora estou no processo de produzir trato no pasto, na reforma da pastagem com mais consciência. Também irei começar com o processo de proteção das nascentes. Esse aperfeiçoamento faz a diferença. Espero poder participar de mais cursos de outras áreas também, assim eu consigo ampliar minha visão e o meu negócio”.

Euler Luiz de Oliveira Penido trabalha com gado de corte e silvicultura. Para o produtor, o curso tem sido muito interessante, agregou conhecimento e novas práticas. “Acho que realmente essas informações são necessárias para o produtor. Visitamos áreas de preservação permanente, nascentes e tomamos conhecimento do que devemos fazer, as técnicas corretas que irão facilitar a nossa atividade e ainda preservar o meio ambiente”.

Resultados

Ao todo, 70 turmas já participaram entre 2016 e 2018. Mais de 800 produtores foram capacitados e cerca de 75% deles aplicaram os conhecimentos e tecnologias adquiridas nas capacitações. De acordo com o analista técnico da Formação Profissional Rural do Senar e coordenador do projeto em Minas, Caio Sérgio Oliveira, esse foi o resultado levantado pela última avaliação de impacto do projeto. Os dados mostram ainda que foram recuperados, em média, 47 hectares por propriedade que recebe assistência técnica; cerca de 1.167 por hectare investidos pelo produtor para recuperação e reforma de sua pastagem.

“É um resultado muito bom, pois temos uma porcentagem alta de produtores que aplicam as tecnologias do ABC. O produtor está tirando dinheiro do bolso porque acredita que as ações da assistência técnica e gerencial surtem resultado. Até agora, 47 hectares foram recuperados; isso aponta uma área expressiva, se considerarmos que muitos são pequenos e médios produtores. Tem produtor que já recuperou mais de 100 hectares”, explica Caio.

O ABC Cerrado é desenvolvido em oito estados, e Minas Gerais ocupa uma posição de destaque nos resultados alcançados. A primeira turma de Piracema continua o curso no dia 4 de outubro. Um outro grupo de produtores, também do município, iniciará no programa em 3 de novembro deste ano.

Atenção: Para comentar esse conteúdo é necessário ser cadastrado, faça seu cadastro gratuíto.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink