Programa de Aplicação Responsável da Dow AgroSciences já capacitou quase 3 mil profissionais

Agronegócio

Programa de Aplicação Responsável da Dow AgroSciences já capacitou quase 3 mil profissionais

Treinamentos foram distribuídos entre 9 estados
Por:
2377 acessos

Receba Notícias como esta por email

Cadastre-se e receba nossos conteúdos gratuitamente
Obrigado por se cadastrar
  • Enviamos a você um email de boas vindas para ativação de seu cadastro.

Desenvolvido pela Dow AgroSciences em parceria com a Universidade Estadual Paulista (UNESP) de Botucatu para disseminar as boas práticas agrícolas, o Programa de Aplicação Responsável (PAR) capacitou entre abril e junho desse ano 2.866 profissionais ligados às culturas de milho, soja e cana de açúcar. Esse número representa um crescimento de quase 100% em relação às capacitações realizadas durante todo o ano de 2013.
 
A coordenadora de Boas Práticas Agrícolas da Dow AgroSciences, Ana Cristina Pinheiro, avalia o aumento no número de encontros realizados: “Em 2014, temos como meta tornar acessíveis as tecnologias e boas práticas agrícolas ao maior número possível de profissionais ligados à aplicação”.
 
O calendário do Programa de Aplicação Responsável será retomado em agosto, com os treinamentos focados nas culturas de soja e milho que percorrerão municípios das regiões norte, nordeste e centro-oeste.
 
Novidade no PAR de 2014
 

Os benefícios do Programa de Aplicação Responsável foram levados aos campos de produção de sementes da Dow AgroSciences em 2014.
 
Consciente do seu compromisso com a sustentabilidade ao longo de toda a cadeia de produção, a Dow AgroSciences defende a qualidade e segurança na aplicação de defensivos também nas suas operações internas. Um exemplo disso foram os treinamento do PAR que aconteceram em todas as regiões de campos de produção de sementes da empresa em 2014.
  
Deriva: de que forma acontece e como evitá-la?

 
A deriva – que é parte da calda aplicada que não atinge os alvos (plantas, por exemplo) durante ou após uma aplicação - pode afetar a produtividade e gerar problemas ambientais.
Diversos motivos podem causar a deriva, entre eles, o uso incorreto de equipamentos e as condições climáticas desfavoráveis.
A deriva pode ser reduzida com o manejo e uso de equipamentos corretos, bem como com a capacitação dos trabalhadores que realizam a aplicação dos defensivos agrícolas.
Durante os treinamentos do Programa de Aplicação Responsável, são apresentadas – de forma teórica e prática – soluções que podem ser observadas e adotadas durante as aplicações.
Entre as orientações destacam-se:
 
- O uso ou a aplicação dos produtos em momentos mais frescos do dia, evitando os períodos de calor extremo que poderiam maximizar a volatilização das gotas. Evitar a aplicação nos horários de maior incidência de sol reduz  a deriva por evaporação.

- Usar pontas de pulverização que liberem a calda em gotas maiores é outra solução que reduz a chance do defensivo se dispersar fora da área desejada.
 
Além disso, durante os treinamentos práticos, todos os participantes têm contato com o Simulador de Deriva, equipamento desenvolvido pela Dow AgroSciences, em parceria com a Universidade Estadual Paulista (UNESP) de Botucatu, e que possibilita simular condições reais de vento e tamanhos de gota das aplicações. Dessa forma, é possível que os participantes tenham a visualização real do efeito do uso de cada tipo de equipamento (ponta e pressão de trabalho), de acordo com a velocidade do vento no momento da aplicação.
 
Em 2011, o PAR recebeu o Prêmio Mérito Fitossanitário, realizado pela ANDEF, na categoria “Boas Práticas Agrícolas”.
Atenção: Para comentar esse conteúdo é necessário ser cadastrado, faça seu cadastro gratuíto.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink