Agricultura

Programa de diversificação vai ser renovado nos três estados

Cultivo rendeu aos produtores R$ 415 milhões em milho, R$ 128 milhões em feijão e R$ 57 milhões em soja
Por:
132 acessos

Aproveitando a abertura da colheita do tabaco, que será realizada em Venâncio Aires na sexta-feira, será renovado no Rio Grande do Sul o convênio do Programa Milho, Feijão e Pastagens após a colheita do tabaco. A ação incentiva a diversificação e a otimização no aproveitamento dos recursos das propriedades rurais e terá continuidade também em Santa Catarina e no Paraná. 

Na safrinha de 2017, o cultivo após a colheita do tabaco rendeu aos produtores R$ 415 milhões em milho, R$ 128 milhões em feijão e R$ 57 milhões em soja. Além dos rendimentos, o plantio após a colheita do tabaco reduz os custos de produção dos grãos e pastagens, pois ocorre o aproveitamento residual dos fertilizantes aplicados. Consequentemente, pode haver redução de custo na produção de proteína (carne, leite e ovos). Outros benefícios são a proteção do solo contra a erosão e a interrupção do ciclo de proliferação de pragas e ervas daninhas.

Conduzida pelo Sindicato Interestadual da Indústria do Tabaco (Sinditabaco), a ação reúne a estrutura de campo das empresas associadas e das entidades apoiadoras. São parceiros o governo dos três estados, além da Afubra, Senar e federações da Agricultura e dos Trabalhadores na Agricultura. No Rio Grande do Sul também participam  a Fepagro, a Associação Gaúcha de Avicultura (Asgav) e o Sindicato da Indústria de Produtos Suínos (Sips). 

Atenção: Para comentar esse conteúdo é necessário ser cadastrado, faça seu cadastro gratuíto.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink