Programas de proteção da renda do agricultor são ampliados pelo Plano Safra
CI
Agronegócio

Programas de proteção da renda do agricultor são ampliados pelo Plano Safra

Proteção da renda do agricultor familiar
Por:
Garantir a renda do agricultor familiar em caso de perda da produção e favorecer investimentos no setor. Estes são os principais objetivos do Ministério do Desenvolvimento Agrário (MDA) ao propor a ampliação dos programas Garantia-Safra e Seguro da Agricultura Familiar (Seaf) no Plano Safra 2012-2013. “Estamos aperfeiçoando todos os instrumentos de proteção da renda do agricultor familiar”, enfatizou o ministro do Desenvolvimento Agrário, Pepe Vargas.

O Garantia-Safra é voltado para agricultores com renda familiar de até 1,5 salário mínimo por mês e funciona de forma cooperada. Ou seja, é necessária adesão do agricultor, do município, do estado e da União ao fundo do programa. Confirmada a perda de pelo menos 50% da safra no município por adversidade climática, o recurso pode ser acessado pelos agricultores daquela localidade. Na safra 2011-2012 , mais de 770 mil agricultores serão beneficiados pelo programa.

Até a safra 2011-2012 a ação estava disponível apenas para a região do semiárido. A partir da aprovação da mudança da lei, outros municípios de todo o país poderão aderir ao Garantia-Safra. Os agricultores interessados em participar do programa devem procurar as prefeituras, sindicatos ou empresas de assistência técnica em seus municípios antes do início do plantio para fazerem a adesão ao Garantia-Safra e, assim, garantir sua renda em caso de estiagens ou enchentes.

“Queremos dar mais segurança, mais tranquilidade aos nossos agricultores para que eles possam fazer mais investimentos e melhorar sua produção. Tomar mais crédito, sabendo que podem fazer esses investimentos porque têm seguros que garantem essa produção, principalmente quando eles tiverem que enfrentar momentos de adversidade climática”, afirma o secretário da Agricultura Familiar, Laudemir Muller.

No Seguro da Agricultura Familiar, o agricultor quando faz o financiamento do Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar (Pronaf) para custeio, automaticamente contrata o seguro. Havendo perda da safra por adversidade climática o seguro paga o financiamento e também dá uma cobertura de renda – equivalente a 65% da receita líquida estimada, limitada a um teto que era de R$ 3,5 mil e que será ampliado para R$ 7 mil. Nessa modalidade o agricultor precisa comunicar ao banco, aguardar a vistoria na lavoura e o laudo técnico que comprove a perda para receber o benefício.

Atualmente o MDA tem R$ 32 bilhões do Pronaf nas mãos de agricultores familiares. O Seaf é que garante o retorno desse crédito no momento em que o agricultor tem sua capacidade de pagamento comprometida. Na safra 2011-2012, mais de 90 mil agricultores familiares comunicaram perda e poderão ser indenizados pelo seguro agrícola, com desembolso pelo governo federal de cerca de R$ 650 milhões. “O seguro é um instrumento muito importante pois garante que o agricultor esteja amparado e tenha capacidade de retomar sua produção em caso de perda”, explica Laudemir.

Palavra do agricultor

O senhor Sebastião Pereira da Rocha mora com a mulher e dois netos no município de Lagoa dos Patos, no norte de Minas Gerais. Em uma área de pouco mais de 1,5 hectare planta milho, feijão, mandioca e cria galinhas para ajudar a complementar a renda da aposentadoria. No ano passado, o forte período de estiagem comprometeu mais de metade da produção. A inscrição no Garantia-Safra assegurou a quantia de R$ 640 à família, divididos em quatro parcelas pagas a partir de abril deste ano. Com o dinheiro ele pode comprar remédios para os animais e pagar as dívidas para o plantio da roça.

A facilidade para receber o benefício é elogiada pelo agricultor que pretende aderir novamente ao programa na próxima safra. “Para minha família foi bom porque a gente não precisou passar dificuldade”, conta. E fica feliz pela ampliação do projeto para todas as regiões brasileiras.

Em uma propriedade de 15 hectares herdada do pai, o agricultor Ari Paulo Stival produz praticamente tudo o que precisa para viver e vende o excedente nos mercados da cidade de Taquaruçu do Sul (MS). A maior parte da renda que sustenta cinco pessoas fica por conta da venda de leite, mas, para produzir, o milho é essencial. É o grão que garante a alimentação do gado e de outros animais que a família cria.

Na última safra, depois de quase oito meses de seca, o produtor perdeu cerca de 80% da lavoura de milho financiada pelo Pronaf. Com o Seguro da Agricultura Familiar, conseguiu pagar as contas e quitar o empréstimo de R$ 7 mil. “Se não tivesse o seguro, eu não teria condição de pagar. Teria que vender algumas vacas, que é o que me sustenta hoje, mas aí quebrava. Foi o que me salvou, a gente está sobrevivendo por causa disso”, explica Ari.

O Pronaf permite investimentos na propriedade, garante a produção e assim possibilita que Ari pague a faculdade dos dois filhos, que pretendem voltar para a chácara e ajudar o pai a continuar o negócio da família. E é o seguro que o incentiva a continuar pegando o financiamento. “Ano que vem irei financiar novamente sete hectares para plantar milho, e tomara que não venha a acontecer de o clima novamente estragar a lavoura, porque a gente não planta pensando nisso. Mas se acontecer é uma segurança que temos. A gente fica mais tranquilo”, conta o agricultor.
?
Detect language » Portuguese


Atenção: Para comentar nesta página é necessário realizar o seu cadastro gratuíto ou entrar.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink