ARKANSAS

Proibição do Dicamba deixa produtores em desvantagem

Empresas acreditam que restrição não vai durar
Por: -Leonardo Gottems
3116 acessos

Esperando a revisão da legislatura do estado norte-americano do Arkansas e uma assinatura do governador, a proibição do Dicamba na temporada com aumento da multa está perto de ser lei. No início desta semana, a Junta de Planta do Arkansas votou a favor da proibição de 16 de Abril a 31 de Outubro.

A regulação deve impedir os produtores de usar qualquer produto contendo Dicamba, incluindo novas formulações tanto para soja como para algodão. Pastagens, relvados, ornamentais, silvicultura e aplicadores domésticos estarão isentos da regra. As multas para uso fora das recomendações do rótulo subiram para US$ 25 mil.

Os fabricantes do Dicamba se levantaram em oposição à proibição. Representantes da Basf explicam que acreditam que a decisão é “nada mais que uma proibição por um curto período e um grande passo para atrás para os produtores do Arkansas que estariam perdendo uma ferramenta essencial de manejo de pragas e estarão em uma desvantagem competitiva em relação a produtores de estados próximos”, disse a companhia em um comunicado. “Nós vamos esperar uma decisão do governador e da legislatura do Arkansas”.

A Junta de Plantas recebeu mais de 29 mil comentários sobre a consulta pública de 30 dias e 37 pessoas foram recebidas pessoalmente no dia a consulta.

A Junta de Plantas do estado “tomou uma decisão baseada nas melhores evidências de pesquisas conduzidas não somente por cientistas da Universidade do Arkansas, mas também dos seus pares na Universidade do Missouri, Tennessee, Indiana e outros estados, e ainda informação adicional disponível de outras fontes,” disse Mark Cochran, vice-presidente da divisão de agricultura da Universidade do Arkansas.

Aqueles a favor da proibição discutiram efeitos não somente cultivos alinhados, mas jardins, árvores e abelhas. Além disso, foram ouvidos os erros de safras passadas e os participantes perguntaram o que mudaria no futuro

“Estamos muito desapontados que o a Junta de Plantas votou para colocar os produtores de Arkansas em desvantagem, mas continuaremos o processo para ajudar os produtores a ter mais escolha na próxima temporada”, diz Monsanto em um comunicado oficial.

Representantes do Monsanto apelou aos membros da Junta para considerar a informação da Basf que diz que apenas 52% da superfície de soja do estado com a tecnologia Xtend compraram o produto Eugenia. A companhia questionou se produtos genéricos foram usados.


 

Atenção: Para comentar esse conteúdo é necessário ser cadastrado, faça seu cadastro gratuíto.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink