Projeto busca recuperar áreas degradadas pela mineração

Agronegócio

Projeto busca recuperar áreas degradadas pela mineração

A área de mineração em Barro Alto já foi foco de estudo da Embrapa Cerrados no projeto “Relações entre metais do solo e a biodiversidade no Cerrado
Por: -Foto: Leide Rovênia
1356 acessos
Uma equipe de pesquisadores da Embrapa Cerrados – unidade da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária- Embrapa - irá estudar o impacto da atividade mineradora de níquel na biodiversidade de solos do município goiano de Barro Alto, que apresentam naturalmente concentração elevada de metais pesados, e definir as atividades que serão recomendadas para recuperação das áreas impactadas pela mineração.

O convênio de Cooperação Técnica foi assinado no final do mês de dezembro com a Companhia Mineradora Anglo American Brasil Ltda. Para o desenvolvimento da pesquisa foi elaborado o projeto “Diversidade vegetal, disponibilidade de metais e organismos no solo: ferramentas para a recuperação de áreas sob mineração de níquel nos complexos ultramáficos de Barro Alto-GO”.

A área de mineração em Barro Alto já foi foco de estudo da Embrapa Cerrados no projeto “Relações entre metais do solo e a biodiversidade no Cerrado: ferramentas para a conservação ambiental e a recuperação de áreas degradadas”. Neste projeto, que se encerra em março, foram feitos estudos sobre as relações entre os processos físico-químicos dos metais pesados nos solos, dos mecanismos fisiológicos de tolerância a metais em espécies nativas e prospecção de genes relacionados à essa tolerância, caracterização da diversidade vegetal e avaliação de danos potenciais da mineração de níquel sobre organismos do solo e da água.

A partir dos resultados do projeto em fase de finalização, os pesquisadores e a empresa mineradora resolveram desenvolver uma pesquisa mais direcionada a recuperação das áreas degradadas pela atividade mineradora. No projeto anterior, a pesquisa era feita em áreas naturais que ainda seriam mineradas. No projeto atual, serão estudadas as áreas em que o minério já foi extraído para poder avaliar o impacto da mineração e definir estratégias/tecnologias de recuperação dessas áreas. No decorrer do projeto serão realizadas análises químicas e microbiologica do solo, controle de vegetação nas áreas mineradas e coletas de sementes de espécies nativas para tentar a reprodução em viveiro ou em meios de cultura .

Uma característica interessante da região de Barro Alto é o desenvolvimento de uma vegetação adaptada a presença natural nos solos de metais pesados que são potencialmente tóxicos para a maioria das plantas. Por isso, o maior desafio do projeto, de acordo com a pesquisadora Leide Rovênia, é promover a recuperação das áreas degradadas pela mineração com as espécies nativas locais.

“Existem poucas informações sobre a ecologia dessas espécies nativas tolerantes aos metais pesados desses solos. Como não é possível fazer a revegetação dessas áreas com espécies comumente utilizadas em outros ambientes com solos com características químicas e físicas distintas daquelas encontradas em solos ultramáficos , temos o desafio de multiplicar essas espécies que são adaptáveis às condições desses solos, que apresentam altas concentrações de metais pesados e fortes desequilíbrios nutricionais”, explica a líder do projeto. Também participam do projeto os pesquisadores da Embrapa Cerrados Cícero Pereira, Fabiana Aquino, Fábio Bueno e Ieda Mendes e o analista Zenilton Miranda, da Embrapa Informação Tecnológica.

As informações são da assessoria de imprensa da Embrapa Cerrados.

Atenção: Para comentar esse conteúdo é necessário ser cadastrado, faça seu cadastro gratuíto.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink