Projeto da Emater incentiva a diversificação da fruticultura em solo mineiro

Agronegócio

Projeto da Emater incentiva a diversificação da fruticultura em solo mineiro

Atividade vem se tornando alternativa de investimento para pequenos produtores.
Por:
192 acessos

Nos últimos anos, a Emater-MG tem investido na diversificação da fruticultura no estado. Em suas unidades demonstrativas espalhadas pelo território mineiro, a instituição testa o cultivo de uma grande variedade de frutos em diferentes tipos de solos e condições climáticas, e os resultados são promissores.

Por meio do Circuito Frutificaminas, que leva capacitação técnica aos produtores rurais, a Emater oferece aos fruticultores as espécies frutíferas que apresentam a melhor adaptação em cada região. Desde a sua implantação, em 2010, o Frutificaminas já capacitou mais de 7 mil agricultores em mais de 350 municípios mineiros.

“Hoje podemos considerar o Frutificaminas como o maior evento da fruticultura mineira. Temos diversas ações, como cursos, capacitações e palestras. Tudo para impulsionar o desenvolvimento da fruticultura”, explica o coordenador técnico de Fruticultura da Emater-MG, Deny Sanábio.

A iniciativa é realizada em parceria com a Secretaria de Estado de Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Epamig, universidades federais de Lavras e Viçosa, além de instituições privadas.

As capacitações são voltadas para fruticultores e também não fruticultores interessados a investir no segmento. Os eventos oferecem a oportunidade de conhecer e aprimorar as tecnologias para aumentar a produção e o rendimento da atividade. Até o momento, já foram realizados 70 capacitações, sendo 19 programados para 2016, seis a mais do que em 2015.

Atraente do ponto de vista financeiro e podendo ser conduzida com mão de obra familiar, a fruticultura vem se tornando, cada vez mais, uma boa alternativa de investimento para os pequenos proprietários rurais. Estima-se que no estado existam cerca de 120 ml hectares plantados e que a atividade gere por volta de 500 mil empregos diretos.

Novos frutos

Uma das capacitações realizadas neste ano aconteceu em Curvelo, no Território Central de Minas Gerais. O município apresenta grande potencial para a fruticultura, principalmente para os pequenos produtores, como forma de aumento e melhoria de renda. Curvelo apresenta excelentes características, como boa localização geográfica, condições climáticas e luminosidade.

Na cidade são feitos experimentos com mais de 30 variedades de frutas. Entre elas, pêssego, mamão, banana, abacaxi , uva, maçã e pêra. Os resultados foram apresentados aos produtores rurais da região, que puderam tirar dúvidas sobre culturas não exploradas no município.

“Como exemplo, citamos a produção de maçã, que foi uma demanda dos próprios produtores e que, apesar de estar em estágio inicial, já se vislumbram excelentes resultados. Estimamos que a produção das macieiras nesta região seja mais rápida que no sul do Brasil e de Minas e que em Barbacena, tradicionais produtores”, salienta Deny.

“O sucesso do programa é tamanho que, inicialmente, a intenção era de aprimorar a capacidade técnica dos nossos extensionistas. Hoje, as unidades tornaram-se referência regional em tecnologia aplicada à fruticultura de clima temperado, motivando produtores a diversificar sua produção”, conta o extensionista regional da Emater-MG, Jairo César Lopes de Souza.

O evento na região contou com a participação de 150 produtores de 14 municípios: Augusto de Lima, Buenópolis, Cordisburgo, Corinto, Curvelo, Felixlândia, Inimutaba, Joaquim Felício, Martinho Campos, Paineiras, Paraopeba, Pompéu, Presidente Juscelino e Santo Hipólito.

Frutas no Triângulo

Outra capacitação foi realizada no município de Ituiutaba, no Triângulo Mineiro, que tem no agronegócio (agricultura da soja e milho e pecuária de corte e leite) sua principal fonte de divisas. Por outro lado, a fruticultura vem despontando como uma excelente oportunidade no agronegócio local.

O município, que apresenta excelente clima e topografia, recebeu o Circuito Frutificaminas, que realizou palestra sobre o mercado de frutas, potencialidades e desafios e estratégias para o desenvolvimento da atividade. Dentre as demandas, surgiu interesse pela produção de manga e de maracujá, este último para abastecer a indústria de sucos.

Um dos interessados neste novo mercado na região é Luiz Cremonini, 49 anos. Tradicional produtor de soja e milho, há seis anos passou a cultivar laranja. Mais recentemente, ele também passou a produzir banana e maracujá, frutas raras de serem encontradas nas terras do Triângulo Mineiro.

“Aqui ninguém mexe com banana ou maracujá. Vou com essas duas frutas. Aqui são poucas as variedades frutíferas. Tem mais manga, mas não em muitas áreas. Em Monte Alegre temos um pouco de abacaxi e mamão, e só. Quase ninguém mexe com frutas”, ressalta o produtor.

Para Cremonini, a diversificação da produção ajuda nos negócios. “Hoje também consigo trabalhar com banana e maracujá. Tem que diversificar. Não podemos ficar em uma só cultura. Se eu tiver mais variedades de frutas tenho mais segurança. Se eu não tiver rendimento com uma, vou ter com outra”, conta.

Atualmente, o Brasil é o terceiro maior produtor mundial de frutas, com 42 milhões de toneladas produzidas, de um total de 340 milhões de toneladas colhidas em todo o mundo. Já Minas Gerais oscila entre o 4º e 5º lugares no ranking nacional de produção de frutas.

Atenção: Para comentar esse conteúdo é necessário ser cadastrado, faça seu cadastro gratuíto.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink