Protesto queima milho transgênico no Paraná
CI
Agronegócio

Protesto queima milho transgênico no Paraná

Por: -Admin

Cerca de 3.000 pessoas, que participavam na sexta-feira (09-05) da Jornada de Agroecologia, em Ponta Grossa, no Paraná, invadiram uma unidade experimental da multinacional Monsanto do Brasil e queimaram 9 hectares de milho RR (transgênico) da empresa. O protesto dos agroecologistas aconteceu às 14h, depois que a plenária do evento - que reuniu mais de 20 entidades ligadas à agricultura familiar, ecológica e a movimentos de trabalhadores rurais - decidiu iniciar uma campanha de ação direta contra o plantio de transgênicos no país.

Em vários ônibus, os manifestantes chegaram a duas áreas experimentais da Monsanto do Brasil em Ponta Grossa e, depois de colher o milho modificado geneticamente, fizeram enormes fogueiras no local. A PM do Paraná, o Corpo de Bombeiros e o serviço de segurança da multinacional acompanharam à distância a manifestação. Não houve incidentes.

José Maria Tardin, da coordenação da Jornada de Agroecologia, disse que a principal deliberação da plenária foi a decisão "de identificar áreas com plantios transgênicos em todo o país e apoiar a invasão dessas propriedades pelo MST".

Segundo Tardin, o movimento contra os transgênicos no Brasil irá cobrar uma "posição clara do governo federal sobre essa questão e solicitar a expulsão da Monsanto do país". Darci Frigo, da ONG (organização não-governamental) Terra de Direitos, disse que a multinacional incentiva o plantio clandestino de soja e milho geneticamente modificados e que seus diretores podem ser enquadrados "no crime de formação de quadrilha".

Os manifestantes dizem ainda que o governo Lula está sofrendo pressões de setores do Ministério da Agricultura para a liberação dos transgênicos. O principal alvo dos agroecologistas é o secretário-executivo do Ministério da Agricultura, José Amauri Dimarzio, acusado de representar os interesses da Monsanto na pasta.

Dimarzio disse ontem que as acusações são "maldades". Segundo ele, pelo fato de representar, até 2000, o setor de produção de sementes e de participar de reunião interministerial sobre o problema dos transgênicos estão fazendo essa ligação "maldosa" com a Monsanto.


Atenção: Para comentar nesta página é necessário realizar o seu cadastro gratuíto ou entrar.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink

Usamos cookies para armazenar informações sobre como você usa o site para tornar sua experiência personalizada. Leia os nossos Termos de Uso e a Privacidade.