Raízen inicia suas atividades como a quinta maior empresa do país

Agronegócio

Raízen inicia suas atividades como a quinta maior empresa do país

Joint venture entre Shell e Cosan estreia hoje no mercado com mais de 40 mil funcionários
Por: -Joana
1190 acessos
Com um ousado plano de expansão para os próximos cinco anos, joint venture entre Shell e Cosan estreia hoje no mercado com mais de 40 mil funcionários


O dia 2 de junho marcou o início oficial das operações da Raízen, cuja marca foi anunciada ao mercado em fevereiro deste ano. Com faturamento estimado de R$ 50 bilhões e valor de mercado de R$ 20 bilhões, a Raízen será uma das cinco maiores companhias do país, com mais de 40 mil funcionários.

Com 24 unidades produtoras de açúcar, etanol e bioenergia, a Raízen conta também com uma rede de 4.500 postos de serviço das bandeiras Shell e Esso, além de 550 lojas, comercialização de 20 bilhões de litros de combustível ao ano, 53 terminais logísticos e instalações em 52 aeroportos.

A companhia nasce com um ousado plano de expansão para os próximos cinco anos. Deverá atingir uma moagem de 100 milhões de toneladas no período, além de uma produção de açúcar que saltará dos atuais 4,4 milhões de toneladas para 6 milhões de toneladas. A produção de etanol passará dos atuais 2,2 bilhões de litros para 5 bilhões de litros estimados na safra 2015/16, o que tornará a companhia a maior produtora mundial de etanol de cana-de-açúcar do mundo. Neste período, o potencial de cogeração atingirá os 1.300 MW.

A área plantada com cana-de-açúcar, entre própria e de terceiros, também terá um salto em cinco anos, passando de 860 mil hectares para 1,4 milhão de hectares em 2015.

Se comparada a um país, a capacidade de produção atual da Raízen a posiciona como o quarto maior produtor do mundo, atrás apenas de Índia e China, além do Brasil. “Estes dados mostram que a Raízen seguirá firme em seu propósito de consolidar o etanol de cana-de-açúcar como uma commodity internacional, vinda de uma fonte renovável e que é uma das soluções para uma economia de baixo carbono”, afirma Vasco Dias, presidente-executivo da Raízen.

A Raízen também chega ao mercado com o propósito de acelerar a produção do etanol de segunda geração no país. Para isso, contará com participação nas empresas Iogen Energy, líder mundial em biotecnologia especializada em etanol celulósico, e Codexis, uma companhia de tecnologia limpa que desenvolve biocatalizadores otimizados, que tornam processos industriais mais rápidos, limpos e eficientes.
 
As informações são da Máquina da Notícia

Atenção: Para comentar esse conteúdo é necessário ser cadastrado, faça seu cadastro gratuíto.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink