Rastreabilidade garante qualidade
CI
Agronegócio

Rastreabilidade garante qualidade

A finalidade é oferecer mais segurança ao consumidor
Por:

Um conceito internacional - ISO 8402 - tem conquistado espaço no mercado da carne no Brasil. A rastreabilidade é o processo de campear um produto, para registrar o máximo de informações sobre ele. A finalidade é oferecer mais segurança ao consumidor, que pode, a partir das informações contidas em um código anexado ao produto, identificar qual a origem e quais os procedimentos utilizados no processo de industrialização.

No caso da carne bovina, o rastreamento é realizado desde o cruzamento dos animais progenitores. O bezerro ganha um código quando nasce. O manejo, as vacinas e outros procedimentos são registrados em um sistema por meio desse número.

Marcelo de Barros Leiras, diretor de Tecnologia de Informação do grupo PariPassu, de Florianópolis (SC), explica que esse sistema é acessado pelos frigoríficos que, ao comprar o animal diretamente dos produtores, analisam quais as melhores opções de manejo e cuidados que foram tomados. Esse processo define a quantidade que será comprada.

Por meio do código, o frigorífico controla as datas de abate, o lote, e coloca na peça uma etiqueta, com seu número de registro no Serviço de Inspeção Federal (SIF). "Pelo lote de abate, sabemos de qual fazenda veio o animal e todas as informações sobre o trato que recebeu", diz o especialista.

Transparência

Depois do frigorífico, a carne vai para um centro de distribuição, de onde é enviada aos açougues. Os açougueiros cortam as peças em bifes e colocam nas bandejas. Um novo código é anexado a essas embalagens. O consumidor, por meio da utilização de um aparelho celular com leitura 2D, pode acessar o histórico do produto, desde o cruzamento dos progenitores. Se não tiver esse acesso, ele pode entrar no site qualidadedesdeaorigem.com.br e inserir esse código. "Assim é possível visualizar todos os pontos de passagem da procedência da carne."

O produtor que trabalha com a rastreabilidade tem um diferencial em seu produto e pode cobrar a mais por ele. Mesmo com a diferença no preço, o consumidor não fica no prejuízo. "O processo se torna mais transparente e ele pode, por exemplo, escolher a região de onde vai comprar a carne. Em outros países, consumidores mais conscientes procuram excluir produtores que utilizam áreas de desmatamento para o pasto dos animais."

Segundo Leiras, a rastreabilidade está em implantação no Brasil. Ainda não há leis que orientem, mas o ISO 22005 indica normas de boas práticas que devem ser seguidas pelos produtores e frigoríficos. "Vale lembrar que, para a exportação, os frigoríficos de outros países exigem a rastreabilidade, um sinal da importância do processo."


Atenção: Para comentar nesta página é necessário realizar o seu cadastro gratuíto ou entrar.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink

Usamos cookies para armazenar informações sobre como você usa o site para tornar sua experiência personalizada. Leia os nossos Termos de Uso e a Privacidade.