Rebanho bovino catarinense será mapeado
CI
Agronegócio

Rebanho bovino catarinense será mapeado

Os 3,27 milhões de bovinos de SC serão mapeados com um brinco plástico
Por:

Os 3,27 milhões de bovinos de Santa Catarina serão mapeados com a instalação de um brinco plástico com número e código de barras, ainda em 2007. A informação foi repassada pelo secretário de Agricultura do Estado, Antonio Ceron, ontem, durante o Itaipu Rural Show, em Pinhalzinho.

Ceron disse que o sistema permitirá o controle do rebanho catarinense e será mais garantia na segurança sanitária. O custo do projeto é cerca de R$ 5 milhões e deve ser bancado pelo Estado e a iniciativa privada. A partir da instalação dos brincos, os animais que não tiverem a identificação serão considerados clandestinos e devem ser sacrificados. Isso permitirá identificar com mais facilidade a entrada de rebanho vivos de outros estados, o que atualmente está proibido.

Os nascimentos deverão ser comunicados em 15 dias, para identificação. Ceron afirmou que a rastreabilidade é uma exigência da Organização Mundial de Saúde Animal (OIE). SC busca o Certificado de Zona Livre de Aftosa Sem Vacinação. Para isso, reforçou a defesa sanitária com a contratação de profissionais e compra de veículos.

Documento com mais de 300 páginas foi encaminhado a OIE, com o aval do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento.

Na próxima semana deve ser concluída a análise de 11 mil amostras de sangue de bovinos, que foi encaminhada para Recife, com o objetivo de comprovar que o Estado não tem o vírus da aftosa.

Missão da OIE deve chegar em fevereiro:

Missão da OIE é aguardada para fevereiro, com representantes de todos os continentes. O objetivo é checar as informações repassadas pelo Estado. Essa comissão deve enviar relatório aos países membros da entidade, 60 dias antes da assembléia geral, que ocorre entre 27 de maio e 1º de junho, em Paris.

A data é considerada um marco para SC, por lideranças com o presidente da Federação da Agricultura do Estado, José Zeferino Pedrozo, pois o reconhecimento permitiria acessar mercados mais exigentes, como Japão e União Européia. O presidente da Cidasc, Hamilton Farias, destacou que o Estado está preparado para receber a missão.


Atenção: Para comentar nesta página é necessário realizar o seu cadastro gratuíto ou entrar.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink