Rede Leite discute vazio forrageiro durante encontro em Augusto Pestana

Leite

Rede Leite discute vazio forrageiro durante encontro em Augusto Pestana

Produtores de leite de 11 municípios do Noroeste gaúcho discutiram nesta quinta-feira (25/04), no interior de Augusto Pestana
Por:
176 acessos

Produtores de leite de 11 municípios do Noroeste gaúcho discutiram nesta quinta-feira (25/04), no interior de Augusto Pestana, como extrair o potencial das forrageiras de verão e de inverno para manter constante a produção de leite, durante todos os meses do ano. O encontro, na propriedade da família Wildner, em Rincão dos Müller, foi promovido pelo Programa em Rede de Pesquisa-desenvolvimento em sistemas de produção com atividade leiteira no Noroeste do RS (Rede Leite). "A proposta é reduzir o vazio forrageiro no outono e na primavera e manter constante a produção de leite no período em que o preço está em alta", explicou o técnico da Emater/RS-Ascar, Fábio Júnior Toledo. 

O encontro teve apoio da prefeitura de Augusto Pestana, Comércio e Representações Agrícolas Relva Ltda, Camera, Sindicato dos Trabalhadores Rurais, Cresol, Atlântica Sementes, RC Hidroponic e Instituto Municipal de Ensino Assis Brasil (Imeab).

"Precisamos focar no setor primário. A produção de leite tem altos e baixos, às vezes, o preço cai, mas, na média, é positivo", disse o prefeito Vilmar Zimmermann.

Forrageiras

As forrageiras de verão, à mostra na propriedade do casal Márcia e Lucas Wildner, são: capim sudão, que germina bem em solos frios e é fácil de ser implantado; milheto, pasto com grande potencial de produção; sorgo, muito palatável aos animais. Completam a lista, as forrageiras de inverno: centeio temprano, por ser precoce está disponível quando as demais forrageiras ainda estão na fase de desenvolvimento; trigo, palatável e com alta qualidade; aveia branca e aveia ucraniana.

"O desafio é oferecer folha verde para as vacas em lactação", explicou o médico veterinário da Emater/RS-Ascar, Oldemar Weiller. "E todos os processos produtivos - escolha das espécies de forrageiras, adubação, sistema de pastoreio (rotativo ou rotatino) -, devem levar isto em conta, o que produz leite é a folha verde", completou Weiller. 

Rede Leite

Formalmente, fazem parte da Rede: Emater/RS-Ascar, Embrapa, Unicruz, Unijuí, Instituto Federal Farroupilha- campus Santo Augusto, Universidade Federal de Santa Maria (Ufsm), Coperfamiliar e Rede Dalacto.

De acordo com a supervisora da microrregião da Emater/RS-Ascar de Ijuí, Márcia Barboza Breitenbach, nos últimos 13 anos, foram realizados, nessa microrregião, 75 eventos da Rede Leite. A microrregião de Ijuí engloba 12 municípios, nos quais foram implantadas 18 Unidades de Observação (UOs). 

A exemplo da propriedade dos Wildner, que sediou o encontro, nesta quinta-feira, as 50 UOs existentes no Noroeste do Estado são acompanhadas sistematicamente pela Rede Leite. 


Atenção: Para comentar esse conteúdo é necessário ser cadastrado, faça seu cadastro gratuíto.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink