Redução de área nos EUA faz aumentar preço da saca de soja no Brasil

Agronegócio

Redução de área nos EUA faz aumentar preço da saca de soja no Brasil

Últimas cotações mostram que soja está custando acima de R$ 50/sc
Por: -Vívian Lessa
1115 acessos
As últimas cotações mostram que soja está custando acima de R$ 50/sc
 
O anúncio do Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA, sigla em Inglês) de que as lavouras de soja americana diminuirão 1,3% na próxima safra já provocou reflexos no Brasil. Na última semana o preço da saca de oleoginosa passou dos R$ 50. Em Mato Grosso, maior produtor do grão no país, a cotação foi de R$ 51 a saca em Alto Araguaia, maior cotação registrada no estado, de acordo com o Instituto Mato-grossense de Economia Agropecuária (Imea).

O valor representa um crescimento de 22% ante o preço da saca constatada em março deste ano, de R$ 41,80 a saca. No Paraná, a saca de soja chegou a custar R$ 56, representando um aumento de 5% em comparação com o preço registrado na última semana de março, quando a soja custava R$ 53 a saca. O analista do Imea, Cleber Noronha, conta que alguns produtores mato-grossense já garantiram a safra futura com os novos valores.

Segundo ele, o impacto do aumento de preço pode resultar na rápida comercialização dos grãos no mercado, que possui apenas 22% da produção total de soja para ser vendida. No entanto, ele ressalta que a venda do restante da safra não depende só do produtor, mas das indústrias que não estão dispostas a pagar por um preço mais alto. "Alguns contratos foram fechados, mas a cautela permanecesse no setor".

O setor agrícola paranaense também está cauteloso para as vendas de soja. O diretor do Departamento de Economia Rural no Paraná (Deral), Francisco Carlos Simioni, explica que ao contrário dos preços a comercialização do grão não está acelerado. "O mercado estrangeiro está devagar com as negociações". Cerca de 60% da safra de soja no estado já foi negociada.

Ele explica que a alta nos preços não está somente relacionada com a redução de área nas lavouras do Estados Unidos que pode provocar uma menor produção de soja no mundo. "Por conta da estiagem teremos uma redução de 24% na produção do grão. A previsão é que a colheita atinga 10,7 milhões de toneladas, ante a 14 milhões de toneladas da última safra".
Atenção: Para comentar esse conteúdo é necessário ser cadastrado, faça seu cadastro gratuíto.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink