Redução na área de milho pode chegar a 20% no Paraná

Agronegócio

Redução na área de milho pode chegar a 20% no Paraná

Boas safras no Centro-Oeste do país compensam quebra da produção paranaense e pressionam mercado
Por:
850 acessos

Boas safras no Centro-Oeste do país compensam quebra da produção paranaense e pressionam mercado. Área no estado pode cair a 1 milhão de hecatres

Depois de amargar uma quebra de 28% na última safra de verão e de 27% na safrinha, os produtores de milho do Paraná planejam reduzir em cerca de 20% a área destinada ao cereal na temporada 2009/10. É o que apontam estimativas iniciais de intenção de plantio de verão feitas por agricultores, cooperativas e revendas de insumos consultados pela reportagem. Nas regiões onde a quebra foi maior no último ciclo, a área recua mais. Nas áreas mais tecnificadas dos Campos Gerais, como Ponta Grossa e Guarapuava, a queda será menor, de cerca de 10%. Mas nas chamadas zonas de transição do Oeste e Sudoeste do estado, como Cascavel e Campo Mourão, o plantio vai cair entre 25% e 30%, prevê o agrônomo Márcio Araujo, gerente regional de negócios da Pioneer.

A frustração da produção na última safra, que foi plantada a custos elevados, o endividamento e a dificuldade de acesso ao crédito estão empurrando o produtor para a soja, avalia Araújo. “A redução na procura por sementes de milho é muito grande, maior do que esperávamos”, relata. Até agora as vendas caíram 50% no Paraná, mas Araújo espera que esse índice diminua, nos próximos 40 dias, para 30%.

“Nos últimos anos, este é o que mais estamos vendendo semente de soja”, confirma Marcelo Martins Pereira, coordenador do departamento técnico da revenda de insumos Agrícola Campele, em Guarapuava. Pelo ritmo das vendas, ele estima queda de 20% no plantio de milho, área que deve ser transferida principalmente para a oleaginosa. “O perigo é que o produtor está tomando a decisão de plantio olhando para os preços atuais. Olha o milho a R$ 15 a saca e a soja a R$ 45. Vai plantar o que? 80% da decisão é tomada assim. Mas tem que olhar lá no futuro, na hora da comercialização”, recomenda.

No Paraná, além do volume colhido na última safra de verão, há também milho remanescente da safrinha anterior, de 2007. No total, o estado ainda tem ao menos 2,4 milhões de toneladas do cereal em estoque, volume que se soma à safrinha que está sendo colhida (as máquinas passaram por 17% das lavouras) e deve render outras 4,6 milhões de toneladas. Os números são da Secretaria Estadual da Agricultura e do Abastecimento (Seab) e da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab).

Os preços ao produtor, que chegaram a quase R$ 25 na metade do ano passado, hoje não passam de R$ 15 no estado. O valor fica abaixo do valor mínimo de garantia estipulado pela Conab, que é de R$ 16,50. E se a situação já é difícil no Paraná, em Mato Grosso, onde a oferta é ainda maior, a saca do cereal chega a ser cotada a R$ 9. Para enxugar o excedente e tentar frear a queda dos preços, a Conab promove nas próximas semanas uma série de leilões (matéria ao lado).

“Estamos colhendo agora os resultados de uma safra recorde no ano anterior. Poderia ser pior? Poderia. Se não tivesse tido quebra no Paraná. A quebra foi ruim individualmente, para o produtor que teve prejuízo, mas ajudou a ajustar o quadro de oferta e demanda do milho brasileiro”, considera Margorete Demarchi, do Departamento de Economia Rural (Deral) da Seab. Para ela, a redução do próximo plantio de verão pode não ser suficiente para “consertar o estrago”.

Na dúvida, o produtor prefere não arriscar. Na área de atuação da Coopagricola, Coo­perativa Mista de Ponta Grossa, por exemplo, a extensão de milho deve cair 75% neste ano, afirma o presidente Gabriel Nadal. “A quebra no ano passado foi de 50%, muito maior que na soja, que quebrou 20%”, justifica. No ano passado, os cooperados, em sua maioria pequenos produtores, menos tecnificados, destinaram 10 mil hectares ao cereal. Neste ano, o cereal vai ocupar entre 2,5 mil e 3 mil, estima o dirigente.

Atenção: Para comentar esse conteúdo é necessário ser cadastrado, faça seu cadastro gratuíto.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink