Reflorestamento: desenvolvimento responsável e sustentável para o TO

Agronegócio

Reflorestamento: desenvolvimento responsável e sustentável para o TO

Expectativa é de que o setor cresça cerca de 900% nos próximos cinco anos
Por:
1097 acessos

Com a preocupação de desenvolver o estado de forma responsável e sustentável, o Governo tem apostado na implantação e fortalecimento de políticas de reflorestamento. Os investimentos na silvicultura e o potencial do Tocantins para a área, que apresenta uma grande quantidade de terra disponível para se plantar, têm atraído investidores de todo o país para o estado e gerado diversos novos postos de trabalho.

De acordo com o diretor de Agroenergia da Secretaria da Agricultura e do Desenvolvimento Agrário (Seagro), Luiz Eduardo Leal, o reflorestamento é uma área prioritária e a expectativa é que o setor tenha um crescimento de cerca de 900% nos próximos cinco anos. “Hoje nós temos aproximadamente 50 mil hectares de florestas plantadas e a nossa projeção para 2016 é de termos 450 mil hectares. O estado possui um potencial enorme em terras e este setor passa neste momento por uma reorganização”, destaca Leal.

As expectativas do presidente da Associação dos Reflorestadores do Tocantins, Guilherme Sahade, para o setor no Estado também são as melhores. “O estado é o mais promissor do Brasil, tem o maior potencial de crescimento e ainda está sendo desmistificado pelas empresas. Este setor está explodindo. A expectativa é que até 2016 o Tocantins se torne o 4° estado com a maior área reflorestada do Brasil”, ressaltou o presidente.

Atualmente a Associação, que tem como missão básica congregar os reflorestadores do Estado e consolidar a cultura do reflorestamento, reúne oito empresas: GMR Florestal, Eco Brasil, Timber Trust, Aliança Florestal, Suzano, International Paper, Brazil Timber e Ibéria Florestal.

Mapeamento

Segundo o diretor da Seagro, para fortalecer, organizar e desenvolver a silvicultura no estado será iniciado em breve um mapeamento para verificar como estão as florestas em toda extensão do Tocantins. “Vamos fazer este mapeamento para identificar os problemas e também os casos de sucesso. Onde há um melhor desenvolvimento de determinada espécie”, explica o diretor, que acrescenta que de posse desses dados a Seagro poderá articular junto aos produtores ações voltadas ao melhoramento produtivo. “A intenção é realizarmos um monitoramento sustentável voltado para integrar os nossos produtores”.

“Já estamos fazendo contato com muitos produtores interessados em plantar no Tocantins”, destaca o diretor ao ressaltar que inicialmente o interesse maior demonstrado pelos produtores tem sido o cultivo da seringueira, para produção de látex e do eucalipto, que pode ser utilizado na produção de celulose e de energia por meio de matéria-prima (biomassa).

Opção econômica

Apresentando-se não apenas como uma opção voltada ao meio ambiente, mas também à economia, o reflorestamento desponta como um dos investimentos mais rentáveis para o produtor. No Tocantins, o produtor que aposta na silvicultura pode negociar sua produção por meio do programa de aquisição de créditos de reposição, que é coordenado pelo Instituto Natureza do Tocantins, Naturatins, que licencia a atividade de reflorestamento.

Segundo o diretor de Recursos Florestais do Naturatins, Ruberval Barbosa de Alencar, por meio do programa o produtor adquire os créditos de reposição junto ao Naturatins e seu plantio fica vinculado por um período determinado, em que o produtor preserva a floresta plantada. Após este período, que varia de acordo com a cultura, o produtor fica liberado para utilizar a plantação.

“Esses créditos são concedidos para empresas que consomem material de origem nativa. As empresas que fazem o plantio também podem vender para outras empresas, como siderúrgicas, frigoríficos e cerâmicas”, ressalta Alencar, que acrescenta ainda que “a reposição florestal através da concessão de créditos é um incentivo para fortalecer esse setor, que além de ajudar o meio ambiente também aquece a economia, pois a partir do momento em que estas florestas entram em corte também se fortalece a produção de lenha e de carvão, entre outros materiais”.

De acordo com as informações do Naturatins, hoje no Tocantins já são 1.451,2 hectares plantados por meio do programa de aquisição de créditos. O cultivo mais comum é o do eucalipto.

Reflorestar

Para impulsionar o setor de reflorestamento e discutir as ações voltadas à área a Seagro realiza em setembro deste ano o Reflorestar – Encontro de Reflorestamento do Estado do Tocantins. Durante o evento, técnicos, produtores e estudantes poderão discutir as técnicas de manejo e plantio. Outra importante discussão que será abordada durante o evento é a aceitação da produção no mercado.

Dados

De acordo com dados da Seagro, atualmente o Tocantins possui uma área plantada de 49,5 mil hectares, sendo que a maior parte cultiva o eucalipto, que ocupa 44,3 mil. Também são cultivados o neem (pronuncia-se "nin") em 158 hectares; a teca em 2,2 mil hectares e a seringueira em 1,3 mil hectares. A projeção para 2011 é de 197,4 mil hectares plantados.


Atenção: Para comentar esse conteúdo é necessário ser cadastrado, faça seu cadastro gratuíto.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink