Rotação e sucessão combatem nematoide reniforme

Usamos cookies para armazenar informações sobre como você usa o nosso site e as páginas que visita. Tudo para tornar sua experiência a mais agradável possível. Leia nossos Termos de Uso e Termos de Privacidade. Ao clicar em Aceitar & Fechar, você consente com a utilização de cookies.


CI
Imagem: Marcel Oliveira
ESTRATÉGIA

Rotação e sucessão combatem nematoide reniforme

Praga tem papel de destaque nas culturas de algodão e soja
Por: -Eliza Maliszewski

O nematoide reniforme (Rotylenchulus reniformis) é um tipo de larva microscópica que vive no solo e parasita raízes de diversas plantas e culturas. A praga vem ganhando importância devido à alta incidência do patógeno em regiões tropicais e subtropicais. No Brasil, esta espécie vem assumindo, ano após ano, papel de destaque nas culturas de algodão e soja, podendo atacar também café, feijão e frutas como abacaxi e maracujá.

Diferentemente de várias outras espécies de nematoides fitoparasitas, o nematoide reniforme não causa sintomas perceptíveis nas raízes e sua ocorrência, multiplicação e danos estão associados a solos de boa fertilidade e altos teores de argila.

Na cultura da soja, o nematoide reniforme provoca subdesenvolvimento de plantas e consequente redução em produtividade. Em algodoeiro, além do subdesenvolvimento, é comum a ocorrência de folhas mosqueadas ou com clorose internerval (folhas “carijó”). 

Segundo o pesquisador da Embrapa Agropecuária Oeste, Guilherme Lafourcade Asmus, a densidade populacional do nematoide no solo no momento do plantio de culturas anuais é um dos fatores mais importantes para a ocorrência de danos. “Dados de pesquisa mostraram que, em Mato Grosso do Sul, as perdas em produtividade podem atingir 32% em soja e 60% em algodoeiro, sob condições de alta densidade populacional do nematoide no solo. Mesmo assim, são poucas as cultivares resistentes de soja e algodoeiro disponíveis no mercado. Assim, práticas de manejo que visem à redução da população do nematoide são altamente recomendadas” aponta.

Uma dessas práticas de manejo são a rotação ou a sucessão de soja e algodoeiro com culturas não hospedeiras. Durante o período em que a área infestada é cultivada com espécies não hospedeiras, ou resistentes, há redução no número de nematoides no solo.

O princípio envolvido na rotação e na sucessão de culturas é o de que as formas infectivas, vermiformes, do nematoide não encontram raízes de plantas suscetíveis disponíveis ao parasitismo e, por consequência, morrem por inanição. “Cabe salientar que, com base nesse princípio, a sucessão soja-algodoeiro (duas culturas suscetíveis), sistema utilizado em cerca de 80% da produção de algodão no Cerrado, representa um alto risco para a sustentabilidade da atividade”, diz Asmus.

O pesquisador aponta que a rotação de soja ou algodoeiro com milho, ou mesmo a sucessão com sorgo, nabo forrageiro e gramíneas forrageiras (braquiária ou panicum) têm-se mostrado eficientes em reduzir a população do nematoide reniforme no solo. Em algumas situações de maior gravidade, espécies com alto potencial de redução da população do nematoide, tais como as crotalárias, podem ser inseridas no sistema, em consorciação com milho ou gramíneas forrageiras.

“Um aspecto interessante da sucessão de soja ou algodoeiro com gramíneas forrageiras reside no fato de que há maior redução da população de nematoides do que no solo deixado em pousio ou alqueive no período de entressafra. O nematoide reniforme tem a habilidade de entrar em estado de latência (anidrobiose) em condições de baixa umidade, o que lhe confere resistência por longos períodos, até que as condições favoráveis sejam restabelecidas. No caso da cobertura do solo, principalmente por gramíneas forrageiras, a umidade permanece mais elevada por maior período após a colheita da soja, permitindo que as formas infectivas “nadem” na solução do solo em busca de raízes de plantas hospedeiras, e, na ausência destas, consomem a energia corpórea, resultando na morte”, detalha.

Quanto maior o período sem a cultura hospedeira (soja ou algodão, por exemplo), melhores serão os efeitos na redução da população do nematoide. Isso implica em que em áreas muito afetadas pode haver necessidade de períodos longos de rotação ou sucessão. Resultados experimentais mostram que, sob altas populações, melhores resultados são obtidos quando as gramíneas forrageiras permanecem no sistema por períodos mais longos (dois ou mais anos), o que é possível em sistemas de integração lavoura-pecuária. 
 


Atenção: Para comentar nesta página é necessário realizar o seu cadastro gratuíto ou entrar.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink