Roteiro das Agroindústrias em Alpestre atrai turistas da região

Agronegócio

Roteiro das Agroindústrias em Alpestre atrai turistas da região

As inúmeras potencialidades do município de Alpestre estão se tornando atrativos para visitantes de toda a região.
Por:
587 acessos

As inúmeras potencialidades do município de Alpestre estão se tornando atrativos para visitantes de toda a região. Alguns desses potenciais já se concretizaram em roteiros turísticos. Na semana passada, o grupo de 35 mulheres de cinco municípios da região, Constantina, Liberato Salzano, São José das Missões, Engenho Velho, Rondinha, que estão inseridas em um projeto de incentivo a produção orgânica, visitaram Alpestre e puderam conhecer a cultura das comunidades rurais, além de experimentar a diversidade das agroindústrias locais.

As agroindústrias e a cooperativa de Alpestre recebem centenas de visitantes ao longo do ano. Observando essa demanda surgiu a ideia de incorporar o turismo às atividades do município. O Roteiro das Agroindústrias é um dos roteiros oferecidos em Alpestre. No trajeto, os visitantes conhecem a diversidade de produtos que são transformados e geram renda para as famílias do meio rural. A inserção das agroindústrias nos roteiros turísticos é uma forma de incentivo à atividade, que permite às famílias a comercialização dos seus produtos e a motivação para permanecer no meio rural.

No início do roteiro, o grupo de mulheres foi recepcionado na Casa Familiar Rural de Alpestre e conheceu a Biofábrica de Micropropagação Vegetal, onde diferentes espécies de mudas frutíferas e ornamentais são multiplicadas. Todo o trajeto do roteiro foi guiado pelo presidente da Cooperativa Extremo Norte, Wagner Rogério Bohn. Na sequência, o grupo conheceu a agroindústria de alimentos minimamente processados de Alpestre. 

Para o almoço, o grupo foi recepcionado com música e animação pela família Ogliari, na propriedade da Linha São Miguel, onde um espaço aconchegante foi construído pela família para receber os visitantes. A propriedade dos agricultores, Altair e Leonides Ogliari, é exemplo de sucessão e iniciação no cultivo orgânico. Com a permanência do filho Mateus, a família está iniciando um projeto para certificar a produção de laranja orgânica. A iniciativa faz parte do projeto desenvolvido por Mateus no curso superior de Tecnologia em Agropecuária, que o jovem cursa em Frederico Westphalen. Com o apoio dos pais e com iniciativas de produções limpas, o jovem escolheu permanecer e investir na propriedade da família.

Em Alpestre, todas as propriedades e agroindústrias visitadas já contam com a sucessão familiar. A presença do jovem, na maioria das vezes, é o que motiva e impulsiona o investimento nas agroindústrias. Na comunidade da Linha da Barra Grande, o grupo conheceu a agroindústria de panificados, empreendimento do jovem Felipe Schleicher. Segundo o jovem, os pães, cucas e bolachas produzidos na agroindústria devem manter a qualidade, para não perder as características do produto caseiro. A agroindústria comercializa os produtos na merenda escolar, nas comunidades do interior, na feira semanal do município e nas feiras regionais.

A próxima parada do roteiro foi a propriedade da família Erthal, local onde a família produz cana e transforma a matéria prima em melado e açúcar mascavo. A família Erthal sempre produziu o doce de cana e, a partir de 2005, começou a sonhar com a construção da agroindústria para aumentar essa produção. Em determinadas épocas, a procura pelos produtos da agroindústria Ponto Norte ultrapassa a capacidade de produção, que hoje gira em média de 100 quilos de melado por semana.

Para encerrar o roteiro, o grupo de mulheres visitou a propriedade da família Rockembach, na Linha Farinhas. Ali puderam degustar um delicioso café colonial, servido com uma enorme variedade de produtos produzidos na propriedade pela família. A intenção do casal, Paulo e Janete, é construir uma agroindústria de embutidos, mais uma forma de geração de renda, além da viticultura, para ser um estímulo à permanência dos filhos na propriedade, os jovens Mateus e Dominique.

O turismo em Alpestre está crescendo a passos largos. O município conta com um Conselho do Turismo, formado por entidades locais que tem o interesse de desenvolver esse setor. A Emater/RS-Ascar, Secretaria Municipal de Educação e a Cooperativa Extremo Norte também fazem parte do Conselho. Alpestre é o primeiro município da região que possui um Plano de Desenvolvimento do Turismo, o qual incorpora um diagnóstico do turismo local e um planejamento na área para dez anos. "As propriedades estão se organizando para receber cada vez melhor os visitantes. O turismo é uma forma de mostrar um pouco do município, divulgar aquilo que temos de melhor, além de ser uma forma de geração de renda para as famílias envolvidas", exclamou a extensionista da Emater/RS-Ascar, Adriana Fátima Memlak.

O trabalho da Emater/RS-Ascar, no que tange o turismo rural, tem o objetivo de incentivar o desenvolvimento da atividade turística sob a ótica da sustentabilidade econômica, social e ambiental, valorizando a cultura local e promovendo a integração da comunidade, para contribuir com a consolidação da atividade como fonte de renda às famílias rurais. "A atuação da Emater em relação ao turismo rural segue algumas premissas, como o incremento da renda das famílias rurais, o protagonismo da mulher, a possibilidade de inclusão produtiva do jovem, canais alternativos de comercialização, valorização cultura, e tantos outros fatores que agregam ao processo", afirmou a assistente técnico regional social da Emater/RS-Ascar, Dulcenéia Haas Wommer.

Atenção: Para comentar esse conteúdo é necessário ser cadastrado, faça seu cadastro gratuíto.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink