RS: Estiagem gera estimativas de perda de até 40% nas culturas de verão

Agronegócio

RS: Estiagem gera estimativas de perda de até 40% nas culturas de verão

As estimativas de perda nas lavouras da safra de Verão, provocadas pela estiagem, foram apresentadas pelo gerente técnico estadual da Emater/RS-Ascar, Dulphe Pinheiro Machado Neto
Por:
2224 acessos
Aconteceu na tarde de terça-feira (27/12) reunião coordenada pela Delegacia Regional do Ministério do Desenvolvimento Agrário (MDA), para analisar a situação das lavouras no RS em função da estiagem. O meteorologista do Cemetrs da Fepagro, Flávio Varone, apresentou as médias de ocorrência de precipitações nos últimos períodos e a projeção para os próximos três meses, que é de chuvas abaixo da média. Já o gerente técnico estadual da Emater/RS-Ascar, Dulphe Pinheiro Machado Neto, apresentou as estimativas de perda nas lavouras da safra de Verão, provocadas pela estiagem.


Os dados foram apresentados para representantes da Secretaria Estadual de Desenvolvimento Rural, Pesca e Cooperativismo (SDR), da Emater/RS-Ascar, dos Movimentos dos Pequenos Agricultores e dos Sem Terra, além de Fetag, Fetraf-Sul, Banrisul e Banco do Brasil. Ao final do encontro, ficou definida uma nova reunião para a próxima semana, com representantes de entidades e instituições envolvidas.

A Diretoria da Emater/RS-Ascar encaminhou orientação aos técnicos para priorizarem o atendimento às ocorrências de perdas de lavouras por estiagem, vendavais e granizos. De acordo com o diretor técnico, Gervásio Paulus, a Instituição já recebeu dois mil pedidos de perícia do Proagro. “Em janeiro, esse número vai aumentar”, estima. A média de atendimento por técnico tem sido de cinco laudos por dia, mas pode ser maior, quando as condições das lavouras e do perito forem favoráveis.


De acordo com o presidente Lino De David, uma força tarefa regional vai qualificar as informações, que serão encaminhadas ao ministro Afonso Florence, do MDA. “Nos próximos 60 dias, entre 400 e 500 técnicos da Emater vão priorizar a realização de laudos do Proagro, o que pode totalizar, só na cultura do milho, cerca de 30 mil laudos periciais”, calcula De David, ao afirmar que “nessa hora de dificuldades, não podemos abandonar o agricultor”.

A partir deste ano, a realização de laudos periciais apresenta novidades, entre elas, que o manual de crédito não prevê mais laudos coletivos por município nem por região. “Cada lavoura será vistoriada”, anuncia o delegado Regional do MDA, Nilton Pinho De Bem, ao explicar que a partir deste ano, o agricultor que tiver mais de 60% de perdas pode concordar que colheria o restante e abrir mão de futuras e possíveis discussões sobre o agravamento dos efeitos do evento climático, em declaração anexa. “Neste caso, é feito um laudo único por perícia, quando for possível a comprovação de uma perda já configurada acima de 60%. Assim, após esse tipo de perícia, o agricultor pode imediatamente cortar a lavoura e destinar à alimentação animal”, afirmou.


PREJUIZOS SERÃO CONHECIDOS EM JANEIRO
As estimativas de perda nas lavouras da safra de Verão, provocadas pela estiagem, foram apresentadas pelo gerente técnico estadual da Emater/RS-Ascar, Dulphe Pinheiro Machado Neto. Segundo levantamento realizado no início do mês de dezembro, as culturas do milho e do feijão são as mais afetadas, podendo registrar perdas de até 40% das lavouras, em relação às expectativas iniciais. A soja ainda está sem confirmação de perdas e, no caso do arroz, deve haver redução da área cultivada nesta safra.

No RS, as lavouras de milho e do feijão estão com entre 40% e 50% nas fases de floração e enchimento de grãos, consideradas críticas quanto à presença de umidade no solo, fator indispensável para se garantir uma boa produtividade. Essa situação trará reflexos na produção total desta safra, uma vez que os danos em termos de diminuição do potencial produtivo podem ser considerados irreversíveis em 50% da área projetada. As lavouras que se encontram em desenvolvimento vegetativo, cerca de 34% do total cultivado, também apresentam problemas na sua evolução, como murchamento das folhas basilares e crescimento deficiente.


Os prejuízos só serão conhecidos a partir do início de janeiro, quando os dados da segunda quinzena deste mês serão tabulados no Sistema de Monitoramento das Condições das Culturas. Até lá, o presidente da Emater/RS, durante assinatura de convênios entre SDR e prefeituras, ocorrida na manhã desta quarta-feira (28-12), solicitou aos prefeitos e secretários municipais de Agricultura que encaminhem informações sobre limites de abastecimento humano e animal de cada município, para que se possa ter a dimensão mais concreta do problema.

Atenção: Para comentar esse conteúdo é necessário ser cadastrado, faça seu cadastro gratuíto.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink