RS: rastreabilidade garante qualidade de hortigranjeiros
CI
Imagem: Marcel Oliveira
EXPOINTER DIGITAL 2020

RS: rastreabilidade garante qualidade de hortigranjeiros

A Rastreabilidade de Produtos Vegetais frescos, frutas e hortaliças foi tema do painel realizado na tarde deste sábado (03/10)
Por:

A Rastreabilidade de Produtos Vegetais frescos, frutas e hortaliças, foi tema do painel realizado na tarde deste sábado (03/10), no canal de transmissão da Expointer Digital 2020, durante a feira, que acontece no Parque de Exposições Assis Brasil, em Esteio, nos formatos presencial e digital, através do site www.expointer.rs.gov.br, até este domingo (04/10).

Participaram o diretor técnico da Emater/RS, Alencar Rugeri, o engenheiro agrônomo e extensionista rural da Emater/RS-Ascar Regional de Porto Alegre, Luis Bohn, o engenheiro agrônomo, fiscal estadual agropecuário e chefe da Divisão da Defesa Sanitária Vegetal da Secretaria Estadual de Agricultura, Pecuária e Desenvolvimento Rural (Seapdr), Ricardo Augusto Felicetti, e a bióloga e especialista em saúde do Centro Estadual de Vigilância em Saúde na Vigilância Sanitária de Alimentos, Suzana Nietiedt.

Com a moderação da jornalista da Emater/RS-Ascar, Adriane Bertoglio Rodrigues, eles falaram sobre o que é rastreabilidade e o que a Instrução Normativa Conjunta n°02/2018, entre a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) e o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), pode implicar sobre a produção, e especialmente sobre a rotina dos agricultores produtores de hortaliças e frutas.

De acordo com o diretor técnico da Emater/RS, a rastreabilidade pode ser considerada um processo educativo continuado, e o papel da Extensão Rural e Social é dar segurança aos consumidores e tranquilidade aos agricultores na produção de alimentos limpos e saudáveis. Vivemos um momento de mudanças e transformações e precisamos nos adaptar, identificando todos os componentes envolvidos na cadeia produtiva e garantindo orientação técnica e capacitações na busca de alimentos de qualidade e da saúde do produtor e do consumidor, salientou Rugeri.

A rastreabilidade foi definida no dia 7 de fevereiro de 2018, através da normativa que orienta sobre os procedimentos para a aplicação da rastreabilidade ao longo da cadeia produtiva de produtos vegetais frescos, destinados à alimentação humana, para fins de monitoramento e controle de resíduos de agrotóxicos, destaca Bohn.

Representando a Seapdr, Felicetti citou o Grupo de Trabalho Alimento Seguro, que envolve a Emater/RS-Ascar, Ceasa, Anvisa, Mapa e a própria Secretaria Estadual, que tem o poder de fiscalizar e autuar, em caso de denúncias. Todos têm responsabilidades na garantia da qualidade, desde a produção, até a comercialização e o consumo, ressaltou.

A Anvisa também tem responsabilidade na rastreabilidade e fiscaliza com orientação, afirma Suzana, ao defender a capacitação contínua dos produtores, em especial quando há confirmação de casos de contaminação de alimentos por resíduos de agrotóxicos. Notificamos e indicamos o aperfeiçoamento do processo, mas a autuação é feita pela Secretaria da Agricultura, diz.


Atenção: Para comentar nesta página é necessário realizar o seu cadastro gratuíto ou entrar.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink