RS exige que curso de aplicador de agrotóxico seja presencial
CME MILHO (SET/20) US$ 3,102 (-25,25%)
| Dólar (compra) R$ 5,31 (0,45%)

Imagem: Pixabay

DEFENSIVOS

RS exige que curso de aplicador de agrotóxico seja presencial

Mesmo diante da oferta de cursos on-line Seapdr decide que eles não têm validade
Por: -Eliza Maliszewski
2790 acessos

O assunto agrotóxicos continua em alta no Rio Grande do Sul. Na semana passada um levantamento realizado pela Secretaria da Agricultura, Pecuária e Desenvolvimento Rural (Seapdr), constatou deriva do herbicida hormonal 2,4-D em 87,13% das amostras na safra atual. Por isso o órgão fechou o cerco para minimizar os problemas para as outras culturas. Além de um cadastro onde produtores de culturas sensíveis possam relatar as perdas, o curso de aplicador, requisito para se cadastrar na Seapdr, deve ser feito de forma presencial.

A decisão partiu de uma reunião nesta quarta-feira (27), com o Ministério Público Estadual e entidades representativas do setor agropecuário. Conforme o chefe da Divisão de Insumos e Serviços Agropecuários da Seapdr, Rafael Friedrich de Lima, os treinamentos oferecidos a distância, de forma on-line, não têm validade para efeitos da Instrução Normativa 06/2019. “A secretaria não reconhece porque a Instrução Normativa prevê que estes cursos devem oferecer tanto a parte teórica quanto a prática. O produtor vai acabar pagando por um curso que o Estado não vai reconhecer”, alerta.

O documento também constatou a baixa adesão dos produtores e comerciantes de agrotóxicos aos cadastros de declaração de compra e de aplicação de herbicidas hormonais, abaixo de 30%.

* Com informações da Seapdr


Atenção: Para comentar nesta página é necessário realizar o seu cadastro gratuíto ou entrar.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink

Contato com o Agrolink