Agronegócio

RS ganha excelência na defesa sanitária do rebanho bovino

A rastreabilidade animal consiste na identificação da origem de um produto, desde o campo, até chegar ao consumidor
Por: -Redação
1 acessos

Com a participação de representantes da Farsul, Superintendência Federal do Ministério da Agricultura Produção e Pecuária (Mapa), Departamento de Produção Animal (DPA) da Secretaria da Agricultura e Abastecimento, Associação das Empresas de Rastreabilidade e Certificação (Acerta) e Procergs, governo do Estado e setor privado começaram a tratar das medidas necessárias para garantir uma solução integrada de rastreabilidade bovina, a partir das ferramentas de Tecnologia da Informação disponíveis.

O encontro entre as partes ocorreu no dia 22 de novembro na Procergs, quando foi examinada a proposta da execução de um trabalho integrado. Durante a reunião houve consenso quanto à viabilidade técnica e em relação ao significativo valor que a solução agregará ao agronegócio gaúcho. A rastreabilidade animal consiste na identificação da origem de um produto, desde o campo, até chegar ao consumidor.

O processo de rastreamento também contempla o acompanhamento integral dos eventos, ocorrências, manejos, transferências e movimentação do animal, mesmo depois de seu abate. Com a integração, todos os procedimentos e estágios são compartilhados entre o Estado, Mapa e as certificadoras.

Os animais de exportação são identificados individualmente e registrados no Sistema Brasileiro de Identificação e Certificação de Origem Bovina e Bubalina (Sisbov), além de terem o controle das certificadoras, que alimentam o cadastro nacional do Sistema - o Sibov é controlado pelo Mapa.

A participação do DPA/Secretaria da Agricultura, na operação integrada, está ligada ao cadastro de propriedades e produtores rurais, com respectivos agronegócios, assim como pelo controle de trânsito de todas as espécies animais.

Esta ação é pioneira no país e diferenciará o Rio Grande do Sul no tratamento da defesa sanitária do seu rebanho. Com a parceria dos dois setores, cumpre-se um requisito fundamental exigido pelo mercado internacional, que opera com altos padrões de qualidade, exigindo e fiscalizando o cumprimento de normas preestabelecidas.

Na avaliação da Secretaria, a parceria com a iniciativa privada contribuirá para tornar os produtos gaúchos mais competitivos e menos sujeitos às instabilidades de mercado. Encontram-se ainda sob estudos, os aspectos legais e o parecer conclusivo dos representantes da pecuária gaúcha em relação à integração pretendida. As informações são da assessoria de imprensa do governo do Estado do Rio Grande do Sul.

Atenção: Para comentar esse conteúdo é necessário ser cadastrado, faça seu cadastro gratuíto.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink