Ruralistas barganham para aprovar CPMF

Agronegócio

Ruralistas barganham para aprovar CPMF

Na comparação entre os primeiros três meses de 2006 e de 2007, o índice de atratividade das vendas do agronegócio, que mede a rentabilidade das exportações, aumentou 12%
Por:
69 acessos

A julgar pelos discursos inflamados e as ameaças abertas, o governo federal terá que tratar com especial atenção as demandas da bancada ruralista para conseguir a renovação da CPMF no Congresso. Além de mais uma rodada de renegociação das dívidas rurais, o Executivo enfrentará também as exigências de medidas compensatórias para amenizar os efeitos da desvalorização cambial no setor rural. "Vamos aproveitar essa oportunidade única da CPMF para negociar com o governo", avisou o presidente da Comissão de Agricultura da Câmara, Marcos Montes (DEM-MG).

Em audiência pública, terça-feira (14-08), na Câmara, os parlamentares obtiveram o reforço de lideranças rurais para reivindicar alterações nas políticas para o setor. "Não vamos aprovar nada enquanto o governo não oferecer alguma compensação para essa política que está matando o setor", disse o deputado Moacir Micheletto (PMDB-PR).

Há um ano fora do governo, o ex-ministro Roberto Rodrigues pediu a redução mais rápida na taxa básica de juros (Selic), a redução da carga tributária via incentivos fiscais, estímulo à proteção (hedge) cambial em mercados futuros e investimentos em logística e infra-estrutura de transportes. "Essa situação pode piorar com o "investment grade" que vai trazer mais dólares. Há quem fale num câmbio a R$ 1,70 ou abaixo disso", disse.

O presidente da Sociedade Rural Brasileira, Cesário Ramalho, rejeitou a exigência de um "câmbio verde", mas reafirmou a necessidade de debater isenções tributárias para ajudar o setor a sair de uma "penúria cambial".

Apesar das pressões, indicadores do Centro de Avançados em Economia Aplicada (Cepea), da USP, mostram ser relativo o efeito negativo do câmbio sobre as exportações do setor. Na comparação entre os primeiros três meses de 2006 e de 2007, o índice de atratividade das vendas do agronegócio, que mede a rentabilidade das exportações, aumentou 12%. "Houve uma melhora nos preços em reais recebidos pelos exportadores", disse o professor Geraldo Sant"Ana Barros.


Atenção: Para comentar esse conteúdo é necessário ser cadastrado, faça seu cadastro gratuíto.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink