Safra à frente da Logística
CI
Agronegócio

Safra à frente da Logística

Volume de soja e milho deve somar 155 mi t, marca que só seria alcançada em 2020
Por:
Volume de soja e milho desta safra deve somar 155 milhões de toneladas, marca que, nas projeções oficiais, só seria alcançada em 2020


Terceiro maior exportador de alimentos do mundo, o Brasil é o país que tem mais condições de ampliar produção e atender à crescente demanda internacional, conforme a Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação (FAO). Na última safra, de fato, o país avançou dez anos em um. Pelo menos na comparação do volume da colheita de soja e milho com as previsões oficiais.


Na temporada 2011/12 o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) publicou um estudo que previa que a produção brasileira de soja e milho cresceria em média 2% ao ano em uma década, chegando a 159,3 milhões de toneladas no ciclo 2021/22. Apenas um ano depois, na temporada 2012/13, a safra nacional dos dois grãos alcança a marca de 155,2 milhões de toneladas – 81,6 milhões de toneladas de soja e 73,6 milhões de toneladas de milho, conforme estimativa da Expedição Safra Gazeta do Povo. Para bater a meta oficial, faltam apenas 4 milhões de toneladas. Na temporada atual, a produção brasileira de soja e milho avançou, de uma vez só, 15 milhões de toneladas.

Além de produzir mais, o Brasil também ocupa posição de destaque no mercado internacional. Depois de assumir, na safra passada, a liderança mundial nas exportações de soja, deve subir ao topo do pódio no mercado de milho neste ano. Porém, tão difícil quanto chegar é manter-se lá.


O momento é uma encruzilhada. Para ser competitivo e sustentar a posição de destaque assumida em 2012, o setor terá de vencer uma série de desafios internos, impostos por anos de falta de planejamento e ausência de políticas de longo prazo, dizem os especialistas. “Precisamos pensar não no agora ou daqui cinco anos, mas num horizonte muito maior”, afirma Aedson Pereira, da Informa Economics FNP.

“O campo tem uma capacidade de resposta muito rápida. Mas a logística ficou parada. Isso compromete a competitividade do Brasil”, sustenta Marcos Jank, especialista em agronegócio e bioenergia. “Nossa capacidade de armazenagem e escoamento há anos não acompanha o crescimento da produtividade”, concorda o analista Steve Cachia, da Cerealpar. Pereira avalia que dificilmente a produção brasileira manterá o crescimento exponencial que apresentou nos últimos anos porque não tem suporte logístico para que isso ocorra.

Atenção: Para comentar nesta página é necessário realizar o seu cadastro gratuíto ou entrar.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink

Usamos cookies para armazenar informações sobre como você usa o site para tornar sua experiência personalizada. Leia os nossos Termos de Uso e a Privacidade.