Safra da cana termina e preços aumentam

Agronegócio

Safra da cana termina e preços aumentam

A poucas semanas do fim da moagem, etanol e açúcar custam mais para o consumidor
Por:
901 acessos

Receba Notícias como esta por email

Cadastre-se e receba nossos conteúdos gratuitamente
Obrigado por se cadastrar
  • Enviamos a você um email de boas vindas para ativação de seu cadastro.

A safra da cana-de-açúcar irá terminar mais cedo neste ano. Normalmente, no período de entressafra, que vai até março, há aumento no preço de produtos fabricados com essa matéria-prima, especialmente o etanol e o açúcar. Algumas unidades finalizaram a safra anterior em janeiro deste ano.

Mesmo antes do fim da moagem da cana, o consumidor convive com a majoração no preço dos produtos. Um dos motivos é que produtividade da atual safra ficou aquém das expectativas. Com o término do processamento pelas usinas, novos reajustes poderão vir.

O etanol hidratado (usado diretamente nos automóveis) custava entre R$ 2,29 e R$ 2,39 em meados de setembro em Jaú. Hoje o produto sai na faixa de R$ 2,39 a R$ 2,59. Foram três altas praticamente seguidas em período inferior a um mês.

Em relação ao açúcar, o produto teve majoração superior a 56% em um ano. Segundo o Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese), em setembro do ano passado o quilo de açúcar custava R$ 1,88 em São Paulo. Hoje sai por R$ 2,94. A safra atual foi mais açucareira que alcooleira (veja quadro).

O presidente da Organização de Plantadores de Cana da Região Centro-Sul (Orplana) e da Associação dos Plantadores de Cana da Região de Jaú (Associcana), Eduardo Vasconcellos Romão, diz que a atual safra será encerrada em meados de novembro.

Segundo ele, a produtividade ficou abaixo do esperado, especialmente por causa de seca entre março e maio deste ano. “A cana de 12 meses teve maturação de um produto de sete meses”, observa Romão. “A falta de água não desenvolveu a cana.”

Chuvas

O presidente da Associação dos Fornecedores de Cana da Região de Bariri (Assobari), Acácio Masson Filho, também aponta a seca ao longo de 2016 como o principal motivo da queda de produtividade da atual safra.

Cita redução da produtividade da lavoura entre 6% e 8% e diminuição dos Açúcares Totais Recuperáveis (ATR), indicador que representa a quantidade total de açúcares da cana.

Levantamento da União da Indústria de Cana de Açúcar (Unica) mostra que na safra passada foi preciso usar uma tonelada de cana para produzir 45,46 litros de etanol. Na atual safra, a produção foi de 41,95 litros com uma tonelada de cana.

Masson Filho diz que a próxima safra dependerá das chuvas do fim deste ano e início de 2017. A baixa precipitação das últimas semanas comprometeu o plantio que será colhido no ano que vem.

Quanto às áreas destinadas para o plantio da cana, a maioria das cidades da região aumentou as glebas no período de 10 anos

Atenção: Para comentar esse conteúdo é necessário ser cadastrado, faça seu cadastro gratuíto.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink