Milho

Safra de milho de Mato Grosso despencará após atraso no plantio de soja, diz Imea

A expectativa é de queda de 10 por cento na área de produção de milho no Estado
Por:
288 acessos

O Mato Grosso, maior produtor de grãos do Brasil, deverá colher aproximadamente 25 milhões de toneladas de milho na segunda safra da temporada 2017/18, queda de 18,75 por cento na comparação com o ciclo passado, estimou nesta sexta-feira o Instituto Mato-grossense de Economia Agropecuária (Imea).

A redução na safra esperada pelo Imea, em sua primeira estimativa para 2017/18, ocorre devido aos preços baixos do cereal em 2017 e problemas na plantio da soja, que impactam diretamente no tamanho da janela da semeadura do milho.

Dessa forma, a expectativa é de queda de 10 por cento na área de produção de milho no Estado para 4,25 milhões de hectares em 17/18, explicou o Imea em nota.

O milho segunda safra, plantado após a colheita da soja, responde por quase todo o cereal colhido em Mato Grosso em uma temporada.
Quando há atraso na cultura de verão (soja) por falta de chuva, como aconteceu neste ano, a janela de clima ideal para o plantio de inverno (milho) fica prejudicada, e muitos produtores desistem da semeadura.

"E isso se deve a esses problemas que tivemos tanto na semeadura como nos preços baixos", disse o gestor técnico Ângelo Ozelame, do Imea, órgão ligado à federação de produtores do Estado.
Até esta sexta-feira, o Mato Grosso registrava plantio de cerca de 90 por cento da área de soja, atraso de quase 5 pontos percentuais ante a mesma data na safra passada, quando tudo correu bem em termos climáticos.

A oleaginosa deve começar a ser colhida nesta safra no início de janeiro, e simultaneamente começa o plantio de milho.
Em relação à produtividade do milho a ser colhido em meados de 2018, a estimativa é de uma queda de 9,37 por cento em relação ao ciclo anterior, que foi considerado um dos com maiores produtividades, de 107 sacas por hectare.

Para a safra 17/18, a projeção é de 97 sacas por hectare, considerando também que o cereal vai ser beneficiado por menos chuvas do que o registrado na safra anterior --quanto mais tarde ocorre o plantio, menor a probabilidade de a cultura receber maiores volumes de precipitações.

No início do mês, o Imea havia elevado ligeiramente a sua previsão de safra de soja, para 30,6 milhões de toneladas, o que representará um recuo ante o recorde da temporada anterior (31,27 milhões de toneladas).

A previsão leva em consideração que o ano passado foi muito bom para a produtividade e que agora os produtores estão encontrando alguns problemas, como o atraso na semeadura devido à irregularidade das chuvas.

ALGODÃO EM ALTA

O Imea também divulgou a sua primeira estimativa de safra de algodão para o Mato Grosso, maior produtor da pluma.

O instituto estimou um aumento de quase 100 mil hectares de área no Estado, ou crescimento 15,8 por cento, para 725 mil hectares.

Quanto à produtividade, no entanto, há a expectativa de queda de 5,4 por cento em relação à temporada anterior.

"Com esse aumento de área e queda da produtividade, a expectativa para a safra 17/18 de algodão é de pouco mais de 1,15 milhão de toneladas de pluma... O aumento em relação ao ano passado é de 9,5 por cento", diz o gestor técnico Ozelame.

Ele explicou que o aumento de área de algodão é reflexo dos melhores preços negociados antecipadamente pelos produtores.

"Isso animou os produtores a aumentarem suas áreas. Até outubro deste ano, a comercialização da safra 16/17 estava em quase 56 por cento. E agora a parte da produção que ainda vai começar a ser semeada, em dezembro, já está comercializada e isso implica no aumento da área", analisou.

Atenção: Para comentar esse conteúdo é necessário ser cadastrado, faça seu cadastro gratuíto.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink