Zoneamento

Secretaria da Agricultura do RS propõe alterações no zoneamento agrícola da soja

Municípios gaúchos correm o risco de não poderem plantar em 2019
Por:
476 acessos

Cerca de 80 municípios gaúchos, das regiões Sul e Oeste do Estado, podem ser prejudicados na safra de soja 2018/2019 devido ao novo Zoneamento Agrícola de Risco Climático (Zarc) imposto pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa). Para debater o assunto, o secretário da Agricultura, Pecuária e Irrigação, Ernani Polo, sugeriu um encontro com os coordenadores regionais da Seapi, o que ocorreu nesta segunda-feira (16) no auditório do Departamento de Diagnóstico e Pesquisa Agropecuária (DDPA) da Secretaria. 


 
O objetivo do zoneamento agrícola, segundo portaria do Mapa de julho deste ano, é identificar as áreas aptas e os períodos de plantio com menor risco climático para o cultivo de soja no Estado. Essa identificação foi realizada com base em um modelo de balanço hídrico da cultura, feito pela Embrapa Soja, que usou as seguintes variáveis climáticas e agronômicas: precipitação pluviométrica, evapotranspiração potencial, fase fenológica da cultura, coeficiente de cultura e disponibilidade máxima de água no solo.

 
Segundo o diretor do Departamento de Irrigação da Seapi, Gerson Herter, que palestrou sobre “Zoneamento Agrícola da Soja – Safra 18/19”, esse novo modelo não é correto, e os municípios gaúchos correm o risco de perder o zoneamento provisório no ano que vem, o que significa não estarem enquadrados na política de crédito rural. “O Zarc não tem cumprido seus objetivos nos três estados na Região Sul do País, que tem um potencial de R$ 2,29 bilhões de economia, sendo R$ 1,28 bilhões no Rio Grande do Sul. O Tribunal de Contas da União diz que a União tem gasto  com indenizações no Rio Grande do Sul valores maiores do que o risco indicado,  mas o problema não é geográfico e a solução apontada pela Embrapa sim”, alertou.

 
Como encaminhamentos, a proposta é formar um Grupo de Trabalho (GT) aberto; visitar o Centro Nacional de Pesquisa de Soja – a Embrapa Soja -, em Londrina (PR); e pedir que a Seapi e entidades  formalizem um pedido de revisão do zoneamento agrícola. “Estes estudos precisam estar prontos até março de 2018”, disse Herter.

Atenção: Para comentar esse conteúdo é necessário ser cadastrado, faça seu cadastro gratuíto.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink