Segundo trimestre de 2018 foi marcado pela falta de chuvas

Previsão do tempo

Segundo trimestre de 2018 foi marcado pela falta de chuvas

Segundo trimestre de 2018 foi marcado pela falta de chuvas
Por:
308 acessos

Receba Notícias como esta por email

Cadastre-se e receba nossos conteúdos gratuitamente

O segundo trimestre de 2018 foi marcado pela falta de chuvas, o que ocasionou redução nas expectativas de produção de culturas importantes para a economia do Estado de São Paulo, informa o Instituto de Economia Agrícola (IEA), órgão vinculado à Secretaria da Agricultura e Abastecimento.

A área ocupada com grãos aumentou 4,55% em relação à safra passada, e a produção teve um incremento de 1,9%; a produtividade, porém, foi menor em 2,53%.

Os resultados apurados para a soja mostram crescimento de área de 5,7% e de 6% na produção. Para a segunda safra de milho foi registrado aumento de 9,5% na área em produção, em comparação ao ano anterior. Esse resultado mostra que os produtores estavam animados com a cultura, mas a queda significativa de produção (-20,2%) em virtude de produtividade inferior em 27,1%, comprometeu as boas expectativas para a produção.

O próximo levantamento, iniciado em setembro, trará os números finais da cultura nesse ano safra. Finalizado o quarto levantamento de safra de café, constatou-se nova elevação na estimativa de quantidade a ser colhida em 2017/18, totalizando 5,8 milhões de sacas (348,8 mil t), o que representa incremento de 29,1% quando comparada à temporada 2016/17.

O índice pluviométrico abaixo da média histórica também comprometeu a produção da cana-de-açúcar, principal produto do Estado de São Paulo, mesmo com o pequeno aumento de área.

A estimativa preliminar da safra 2017/18 para a cultura da laranja indica uma produção de 348,6 milhões de caixas de 40,8 kg (14.221 mil t), volume 7,4% superior ao obtido na safra anterior. Quanto à área total plantada de 460 mil ha (que inclui área com plantas ainda não produtivas), o levantamento prevê aumento de 3,1% em relação ao ano anterior. Embora novas técnicas tenham sido aplicadas para minimizar e/ou resolver a incidência de problemas fitopatológicos, em especial cancro cítrico e HLB (greening), ainda há continuidade no processo de erradicação e expansão menor de pomares, ressalta o IEA.

Atenção: Para comentar esse conteúdo é necessário ser cadastrado, faça seu cadastro gratuíto.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink