Sementes ilegais prejudicam agronegócio

Agronegócio

Sementes ilegais prejudicam agronegócio

A preocupação com o agronegócio é grande em razão das sementes piratas
Por: -Silvano
105 acessos

O uso de sementes ilegais prejudica a competitividade do agronegócio e representa uma desestruturação da pesquisa agropecuária. A afirmação foi feita nessa terça-feira (07-08) pelo técnico Oléssio Maróstica, da Comissão Nacional de Cereais, Fibras e Oleaginosas da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA). Ele participou de audiência pública na Câmara dos Deputados para debater os fatores de risco à sobrevivência e à sustentabilidade do agronegócio brasileiro.

“O país precisa continuar competitivo e a semente é o coração desse processo. Não se deve dar um tiro no próprio coração”, afirmou. Maróstica acrescentou que o descumprimento da Lei das Sementes e Mudas (10.711/03) pode provocar o aumento das barreiras comerciais ao Brasil.

Outro ponto mencionado pelo técnico diz respeito ao uso da biotecnologia. Segundo ele, o uso desse instrumento em maior intensidade geraria mais ganhos ao produtor em razão do barateamento do custo da produção e aumentaria a produtividade. “A preocupação é se começarmos a cair na produtividade por causa da falta da biotecnologia. Até recuperarmos, o processo seria muito demorado”, explicou.

A preocupação com a competitividade do agronegócio no futuro em razão das sementes piratas também foi exposta por outras entidades representativas do produtor rural e por órgãos do governo que participaram de audiência pública. Segundo presidente da Associação Brasileira de Sementes e Mudas (Abrasem), Iwao Miyamoto, as sementes pirateadas implicam perda de 40% na produção.

O deputado Moacir Micheletto (PMDB/PR), que foi relator da Lei de Sementes e Mudas, mostrou indignação com o uso desordenado de sementes ilegais. “Se o governo não agir, a pirataria poderá destruir a produção de sementes certificadas no Brasil. Destruiremos tudo o que construímos em 50 anos”. As informações são da assessoria de imprensa da Famato.

Atenção: Para comentar esse conteúdo é necessário ser cadastrado, faça seu cadastro gratuíto.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink