Seminário Cooplantio amplia foco

Agronegócio

Seminário Cooplantio amplia foco

Cooperativa optou por oferecer programação variada aos associados, com foco no milho, na soja e no arroz
Por:
3231 acessos
Neste ano, cooperativa optou por oferecer programação variada aos associados, com foco no milho, na soja e no arroz

Numa clara mudança de estratégia, o 26 Seminário Cooplantio, que começa hoje (20) e segue até quarta-feira, em Gramado, pretende mirar uma grande angular sobre o produtor rural. Ao longo dos anos, o evento trabalhou conceitos individualmente de tecnologia, insumos, gestão, mas o presidente da Cooplantio, Daltro Benvenuti, avalia que de nada adianta tanto conhecimento se o agricultor não souber aplicá-lo. Por isso, a opção por uma abordagem multidisciplinar nesta edição, tratando vários temas nas palestras. O objetivo é o mesmo: "auxiliar o produtor na tomada de decisão para a próxima safra, com conhecimento das diferentes variáveis". Benvenutti explica que o papel do agricultor define o sucesso ou fracasso de um empreendimento. "Muitas vezes se vê uma propriedade ao lado da outra, com o mesmo clima, a mesma terra, mas uma vai bem e a outra, mal."


Na programação deste ano haverá, por exemplo, uma palestra específica sobre as perspectivas do mercado de arroz. O cultivo do cereal, que vem há alguns anos enfrentando problemas de comercialização, preocupa. Dos 30 mil associados da Cooplantio, 1,8 mil cultivam o cereal em 200 mil hectares. Parece pouco, mas o número cresce anualmente.


Para o presidente da cooperativa, talvez a melhor opção seja mesmo reduzir a área de plantio, o que estará em discussão no seminário. A recomendação é a mesma feita pela Federarroz, que já orienta que produtores que cultivam soja aumentem a área com a oleaginosa e, na várzea, coloquem gado. "Se tivermos novamente uma supersafra não será possível administrar a situação." Neste cenário, pesa ainda a dificuldade do governo em exportar o grão, desconhecido dos importadores, o que freia aquisições públicas.


Para driblar as dificuldades no mercado interno e conquistar o externo, há dois anos a cooperativa focou a produção de arroz para exportação, totalizando em 2010 o embarque de 10 mil toneladas. Em 2011, as vendas externas já chegaram a 37 mil t. "Buscamos representantes que vendem no mercado internacional e usamos o diferencial de ter um produto oriundo do plantio direto, que usa menos água e combustível. Com isso, entramos na União Europeia e África."


A estimativa da Cooplantio é que um público entre mil e 1,2 mil pessoas acompanhe a programação do seminário, garantindo um grande efeito multiplicador.

Atenção: Para comentar esse conteúdo é necessário ser cadastrado, faça seu cadastro gratuíto.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink