Setor industrial pode ter mais lucro investindo em pesquisas com microrganismos e enzimas

Agronegócio

Setor industrial pode ter mais lucro investindo em pesquisas com microrganismos e enzimas

Os resíduos das indústrias estão sendo cada vez mais utilizados como matérias-primas para outros produtos.
Por:
518 acessos

Os resíduos das indústrias estão sendo cada vez mais utilizados como matérias-primas para outros produtos. Esta prática que está inserida no conceito de biorrefinaria, em que tudo é aproveitado, gerando produtos de valor agregado e mitigando resíduos potencialmente poluidores. É neste contexto de economia circular que a Embrapa Agroenergia desenvolve a maior parte das suas pesquisas. Em janeiro deste ano, quando foi credenciada como unidade da Empresa Brasileira de Pesquisa e Inovação Industrial - EMBRAPII, a Embrapa Agroenergia ganhou mais uma ferramenta para promover projetos em colaboração com indústrias e empresas privadas.

Bruno Brasil, pesquisador da Embrapa Agroenergia e coordenador Unidade EMBRAPII nesta Unidade de pesquisa, explica que o recurso financeiro aportado pela Embrapii fica a disposição da Embrapa para contratação de projetos em parceria com o setor industrial. "A partir do momento em que o contrato for assinado entre a Embrapa e a empresa parceira, o recurso financeiro já é disponibilizado para começar a execução do projeto" esclarece Bruno.

Serão desenvolvidos ativos tecnológicos com foco em inovação para o setor industrial. Uma vez desenvolvidos, os ativos passíveis de proteção industrial serão depositados no INPI (Instituto Nacional da Propriedade Industrial), em cotitularidade entre a Embrapa e a empresa. A exploração econômica desse ativo poderá ser realizada exclusivamente por parte da empresa parceira, sendo isso definido desde a assinatura do contrato do projeto. "Assim a empresa pode recuperar seu investimento e ainda aumentar sua competitividade", destaca Bruno Brasil.

Os microrganismos

A Embrapa Agroenergia desenvolve trabalhos com microrganismos desde 2007, com destaque para processos fermentativos relacionados à produção de etanol e outros químicos renováveis, ao uso de efluentes ou resíduos para produção do biogás e à produção de pigmentos e óleos especiais de algas. Outro ponto forte é a linha de pesquisa sobre enzimas visando à desconstrução de biomassa celulósica para produção de etanol de 2° geração e novas aplicações para os setores industriais oleoquímico, têxtil e de nutrição animal. 

Uma das missões da Embrapa Agroenergia é mostrar que os microrganismos não só tem aplicação na parte de agroindústria de alimentos, mas também em indústria química, de energia e de materiais. Os trabalhos desenvolvidos na Unidade compreendem: Microrganismos para produção de biocombustíveis e geração de energia; Microrganismos para produção de químicos renováveis e biomateriais; Microrganismos para remediação e agregação de valor a resíduos e subprodutos agroindustriais; Enzimas de origem microbiana para uso industrial; Enzimas produzidas por microrganismos geneticamente modificados; e Processos enzimáticos para transformação de biomassa e seus derivados.

Bruno relata que os microrganismos são peças chave para atender de forma eficaz as demandas na transição de uma economia baseada em fontes fósseis para a bioeconomia. "Microrganismos são vistos em uma biorrefinaria como um agente transformador de matéria-prima. A diversidade de microrganismos existentes no Brasil traz uma enorme versatilidade metabólica para gerar novos produtos" revela. O pesquisador ainda conta que outra característica dos microrganismos, que beneficia pesquisas focadas em melhoramento genético, é o ciclo de vida desses seres são curtos, podendo ser de minutos ou horas. Isso permite o alcance de resultados em prazos muito mais curtos, se comparados a pesquisas com animais ou plantas.

Manoel Souza, Chefe geral da Embrapa Agroenergia, em um artigo publicado no JornalAgroenergético nº 42, ressalta que as cadeias de produção e uso da cana-de-açúcar e da soja já trabalham no Brasil dentro da lógica de biorrefinaria. Da cana se produz o açúcar, o etanol anidro, o etanol hidratado e a bioeletricidade, entre vários outros produtos. Da soja, se obtém o farelo para alimentação animal – e consequentemente proteína –, óleo para a indústria alimentícia e para biodiesel, além do grão (quase metade da soja produzida no Brasil é exportada na forma de grão). Porém, ainda existe amplo espaço para inserção de novos produtos, com maior valor agregado. É importante também que, mais e mais, outras cadeias no nosso País recebam políticas de desenvolvimento que promovam a sua organização dentro desta lógica de biorrefinaria.

Unidade Embrapii

Em 2016, a Embrapa Agroenergia foi o primeiro centro de pesquisas do Centro-oeste credenciado a se tornar uma unidade EMBRAPII. Além disso, é única unidade da Embrapa a formalizar esta parceria até o momento. De acordo com Bruno Brasil, esse é um instrumento que as empresas têm a mão para buscar projetos inovadores com instituições de excelência em pesquisa. "As partes interessadas já iniciam a negociação sabendo exatamente quais são os termos, ou seja, o caminho a seguir para transformar aquela ideia em um projeto e executá-la". E complementa, "Esse é um instrumento que a Embrapa e a maioria das instituições de pesquisa no Brasil carecem, que é ter o recurso financeiro disponível a mão para que se possa fechar parceria público-privada a qualquer momento".

A EMBRAPII disponibiliza até um terço do montante de recursos, a Embrapa Agroenergia colabora com mais um terço, na forma de infraestrutura e mão-de-obra qualificada, e a empresa interessada entra com no mínimo o um terço restante. Outro beneficio é a flexibilidade. Pode ser feito um projeto curto, médio ou longo (até seis anos) e pode haver readequações no projeto ao longo de sua execução.

Para realizar as pesquisas, o quadro técnico da Embrapa Agroenergia é altamente especializado, formado por 93 empregados, sendo que integram esta equipe 40 doutores e 20 mestres dedicados aos trabalhos de PD&I. O restante da equipe garante apoio para que todos os processos estejam alinhados para a realização das atividades necessárias aos diferentes momentos do desenvolvimento tecnológico. A estrutura da Unidade para execução das pesquisas é composta por quatro laboratórios (Veja o link do folder institucional), uma área de plantas piloto e núcleo de apoio a culturas energéticas.

Mais informações a respeito dos trabalhos desenvolvidos pela Embrapa Agroenergia acesse o nosso portal. E, para pesquisas em parceria com a Embrapii no folder "Bioquímica de renováveis – microrganismos e enzimas".

Atenção: Para comentar esse conteúdo é necessário ser cadastrado, faça seu cadastro gratuíto.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink