SFA registra 16 plantações de algodão transgênico em MT

Agronegócio

SFA registra 16 plantações de algodão transgênico em MT

Os produtores estão recorrendo na Justiça para garantir a colheita
Por:
2 acessos

O Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), através da SFA (Superintendência Federal de Agricultura), autuaram 16 plantações de algodão transgênico do nesta safra. As multas podem chegar a R$ 500,00.

No entanto, os produtores estão recorrendo na Justiça para garantir a colheita e o beneficiamento do produto, sendo que alguns já conseguiram liminar garantindo o produto. Na cultura de milho, nenhum caso de transgênia foi encontrado no Estado, mas as fiscalizações continuam.

O Mapa esclarece que o plantio de algodão transgênico RR, resistente ao uso do glifosato, não está autorizado pela CTNbio (Comissão Técnica Nacional de Biossegurança), sendo portanto ilegal o cultivo no País. A preocupação, segundo os técnicos, é evitar o plantio de culturas transgênicas ilegais em Mato Grosso, que podem ameaçar a sanidade e a qualidade das lavouras.

De acordo com os dados do nono levantamento da Conab (Companhia Nacional de Abastecimento), a produção de algodão no Estado será 49,4% maior que a safra anterior, já que os produtores devem colher 61,3 mil toneladas nesta safra ante 41 mil toneladas na safra passada. No Estado, Costa Rica é o principal produtor.

Em todo o País, a área cultivada é de 1,09 milhão de hectares, superior à da safra anterior em 27,2%, com 232,5 mil hectares. Segundo a Conab, o referido incremento foi motivado pelos baixos preços da soja e do milho na época da implantação dessas culturas, o que estimulou os produtores a migrarem para o algodão.

No início do mês, os produtores sul-mato-grossenses dos municípios do norte do Estado – Costa Rica, Chapadão do Sul, São Gabriel e Alcinópolis – iniciaram a colheita de algodão. Já na região sul (Batayporã, Deodápolis, Itaquiraí, Juti, Maracaju, Naviraí e Sidrolândia), onde o plantio é feito em outubro, a colheita foi realizada em março.


Atenção: Para comentar esse conteúdo é necessário ser cadastrado, faça seu cadastro gratuíto.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink