Sindag comemora 21 anos
CI
Agronegócio

Sindag comemora 21 anos

Sindicato abrange cerca de 60% das empresas aeroagrícolas existentes no Brasil
O Sindicato Nacional das Empresas de Aviação Agrícola (Sindag) comemora 21 anos nesta quinta-feira (dia 19). Criado em 1991, em São Paulo (e hoje com sede em Porto Alegre), a entidade nasceu a partir da antiga Federação Nacional de Aviação Agrícola (Fenag), que desde 1980 reunia as associações estaduais do setor, estas criadas a partir de 1971. Mas, como não tinha características de representação sindical, não podia representar juridicamente os associados.


Hoje, o Sindag abrange cerca de 60% das empresas aeroagrícolas existentes no Brasil. E, como sindicato, tem a missão de representar, assistir e defender os interesses das empresas associadas e dos integrantes da categoria. Por conta disso, é membro efetivo do Conselho Consultivo da ANAC, Câmara Técnica Setorial da Indústria de Manutenção Aeronáutica, Câmara Técnica sobre Regulamentação da Aviação Geral, Comissão Especial para Assuntos da Aviação Agrícola no MAPA, Comitê Nacional de Prevenção de Acidentes Aeronáuticos do CENIPA, Comissão de Assuntos da Aviação Agrícola do CNPAA/CENIPA e Comitê Executivo Aeroagricola Privado do Mercosul (Brasil, Uruguai, Argentina e Chile).

CONQUISTAS

Entre as principais conquistas da entidade estão o novo Regulamento Brasileiro de Aviação Civil (RBAC) 137, publicado em abril. Cujo texto ainda deve ser melhorado, em tratativas com a Agência Nacional de Aviação Civil (ANAC), mas significou avanços para o setor. Assim como a Instrução Suplementar 137.201-001, da ANAC, que autoriza o uso de etanol como combustível para aeronave agrícola na categoria restrita, equipada com motor convencional.


LUTAS

Por outro lado, seguem os embates para evitar que o setor aeroagrícola seja prejudicado por iniciativas às vezes de cunho apenas político. Como projetos de leis nas esferas federal e de Estados que visam a proibir a pulverização com aviões agrícolas. Propostas concebidas sem critérios técnicos e que podem ser desastrosas inclusive para o meio ambiente e para a economia brasileira.

E permanece na pauta do Sindag o esforço para revogação da Orientação Técnica CGA 01/2011, pela qual o MAPA repassou aos Estados a fiscalização sobre a atividade de aviação agrícola. Medida que causou sobreposição de ações com divergências de entendimentos dos agentes fiscalizadores (muitas vezes contrariando bases técnicas).


Assuntos que foram tema do último Congresso Sindag, realizado mês passado em Campo Grande/MS. Quando também se alinhavou a união de todo o setor, com parceria dos Sindicatos Nacionais dos Aeronautas (SNA) e dos Trabalhadores de empresa de Táxi Aéreo, Aeroclubes, Aviação Agrícola e de Garimpo (Sinaero) e da própria Divisão de Aviação Agrícola do MAPA.

Fato que ressaltou a importância também a união de todo o empresariado em torno de seu sindicato. E a adesão do maior número de associadas é fundamental para a valorização da Aviação Agrícola Brasileira.

Atenção: Para comentar nesta página é necessário realizar o seu cadastro gratuíto ou entrar.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink